O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Violência urbana
Homossexual assassinado em Lauro de Freitas
Por Redação

 

Sem solução - Em 11 de março deste ano Orlando Pereira dos Santos de 64 anos, servidor aposentado do Banco do Brasil foi encontrado morto dentro de casa no condomínio Praia de Piatã em Vilas do Atlântico naquele município. O crime está sendo investigado por equipes da Delegacia de Portão, até o momento os assassinos não foram encontrados.

 

LAURO DE FREITAS, 6/12/09 – Acabou de ser removido nessa manhã pelo Instituto Medico Legal Nina Rodrigues (IML) o corpo do homossexual Francisco Assis dos Santos, conhecido como Chiquinho, 45 anos, morador a Rua Belo Horizonte, Centro de Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador.

Moradores contam que viram dois homens altos invadirem a casa da vitima por volta da madrugada de sábado para domingo e executaram a pauladas e golpes de machado. Na manhã de hoje vizinhos comunicaram o fato ao irmão da vitima que ao chegar no local encontrou o corpo no chão nas primeiras horas desses domingo. Policias da 23º Delegacia de Policia que se encontra no local para coletar provas e evidências que possam indicar o motivo do homicídio. De acordo com populares ele foi morto a pauladas e teve uma das pernas decepada a golpes de machado. Antes de morrer teria lutado, pois o corpo foi encontrado em decúbito dorsal e as mãos para cima como se tivesse se defendendo do ataque, conta populares que tiveram acesso à cena.

Ainda não se sabe com certeza o que teria motivado a morte violenta do homossexual, não teve registro de objetos subtraídos, nem arrombamento e ao que parece a casa era muito freqüentada por pessoas de aparência marginal durante a noite levando a parecer que não seria um crime sexual. Para o GGB não importa se foi um crime caracterizado como sexual ou não. Mesmo que pese homossexuais que vivem em algum meio considerado marginal são indivíduos considerados marginais no meio por serem “viado”, por isso não são respeitados pelos seus pares e não recebem o mesmo tratamento dispensado aos machos heterossexuais.

O GGB usa como exemplo é não existir muitas mulheres que são “donas de bocas” e quando existem elas utilizam o poder simbólico da maternidade para se defenderem da violência inerente. Elas no geral são tratadas de tias, mães e donas. Isso não se aplica aos homossexuais que vivem nesse meio social. “Dado ao caráter de vulnerabilidade social, só por ser homossexual já é sentenciado e considerado individuo de segunda categoria”, acredita Marcelo Cerqueira do GGB. Não se trata de defender comportamentos considerados marginais, mas defender direitos coletivos e difusos desse segmento.

Equipe coordenada pela delegada plantonista Railda Mendes acompanham as investigações. O Grupo Gay da Bahia (GGB) e o Grupo Gay de Lauro de Freitas (GGLF) também acompanham o caso coletado informações junto à comunidade que possam levar aos assassinos do homossexual.

Chiquinho é o segundo homossexual assassinado esse ano em Lauro de Freitas. Em 11 de março deste ano Orlando Pereira dos Santos de 64 anos, servidor aposentado do Banco do Brasil foi encontrado morto dentro de casa no condomínio Praia de Piatã em Vilas do Atlântico naquele município. Com a morte de Chiquinho sobe para 22 os registros de homossexuais assassinados na Bahia apenas esse ano.

Em 2008 foram documentados 190 assassinatos de homossexuais no Brasil, 55% a mais do que no ano anterior (122 mortes). A cada dois dias um GLBT é barbaramente assassinado. Menos de 10% dos criminosos são presos e sentenciados. "A situação na Bahia é alarmante, diz o Presidente do GGB, Marcelo Cerqueira: em 2007 nosso Estado foi o campeão nacional de homicídios, 18 mortes, e em 2008, subiu para 24 casos. Neste ano, até 1 de novembro de 2009, já foram registrados 19 crimes. BAHIA NÃO RIMA COM HOMOFOBIA!" O GGB adverte que estes números são subnotificados, pois há muitos crimes que a família esconde que o filho era gay ou que a polícia e os jornais não divulgam.

Dicas de como diminuir os riscos

  • Participe dos programas coletivos de sua comunidade, sobretudo naqueles sobre segurança e prevenção de delitos.
  • Se você vive sozinho, procure manter contato com alguma pessoa ou vizinho de sua inteira confiança, a quem possa chamar em caso de emergência.
  • Seja prudente em suas conversas com desconhecidos, não dê dados sobre seu domicílio, atividades ou lugar de trabalho.
  • Procure sair à noite em companhia de amigos. Procure não levar objetos de valor que chamem atenção.
  • Em suas atividades diárias e de recreação, cultive redes de amizade, nas quais encontre apoio emocional e cuidado mútuo
  • Se você acaba de conhecer alguém, procure apresentá-lo a amigos, conhecidos ou vizinhos. Procure conhecê-lo melhor, peça informações pessoais e investigue quem mais o conhecido.
  • Evite riscos. Não convide recém-conhecidos para sua casa. Se você sair acompanhado, faça com que haja sempre alguém que saiba com quem você saiu, ainda que já o conheça há alguns dias.
  • Se você vai para um hotel, registre-se com seu nome real, assim como o de seu acompanhante, isso é importante para identificar  caso haja alguma confusão ou violência
  • Nos hotéis e lugares privados, mantenha-se sempre alerta. Caso note algo suspeito, peça auxílio. Não adormeça junto a pessoas que conhece pouco.
  •  Se você vai tomar um táxi, procure escolhê-lo. Não embarque naqueles que lhe oferecem serviços fora dos bares ou que param sem que tenham sido chamados.
  •  Vigie sua bebida para evitar que nela sejam misturadas substâncias soníferas. Procure deixar a música em volume baixo, para que os vizinhos possam ouvi-lo no caso de você necessitar de ajuda.
  • Prefira para encontros sexuais clubes noturnos e saunas, pois são locais fechados e vigidos por segurança e câmaras. Em Salvador existe vários deles, veja relação em nosso site na parte de roteiros.
  •  Evite o contágio de infecções transmitidas sexualmente. Use camisinha.

 

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia