O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

As dez coisas que o gay deve se lembrar de perguntar quando for ao médico

 De acordo com os levantamentos médicos, os gays procuram mais os serviços médicos do que as lésbicas, mas menos do que a população heterossexual, isso parece estar relacionado com vergonha ou medo de ser discriminada por um profissional. Mas isso não é verdade, os médicos são treinados para responder quaisquer questões, especialmente depois da necessidade de se ter médicos para o tratamento da AIDS e das DSTs entre homens homossexuais.

O ideal é que se tenha um médico de confiança que possa ser acessível todas as vezes que for necessário, e que poderá indicar especialistas quando necessário. Os serviços de apoio para a comunidade gay, os serviços médicos de universidades, os postos de saúde podem ser muito úteis para se auxiliar a procura de profissionais acessíveis.

Estamos colocando ao final os telefones de alguns médicos, serviços, ONGs, Organizações Governamentais, nomes de serviços que possam ser úteis.Caso você se sinta discriminada ou tenha alguma queixa não hesite em procurar o Conselho Regional de Medicina do seu estado, ou o Conselho Federal de Medicina- telefones e sites no fim.

O mais importante é que qualquer pessoa independente da sua orientação sexual tenha acesso às condições adequadas de saúde.         Em último caso manda um email ou telefona para nós que tentaremos te auxiliar da melhor forma possível.

De acordo com a Associação Médica para Gays e Lésbicas (Gay and Lesbians Medical Association-GLMA), toda vez que forem ao médico os gays devem sempre lembrar de fazer as seguintes perguntas:

1-AIDS e HIV.

Como todo mundo sabe, os gays são ainda um grupo com comportamento de risco para se adquirir o HIV em relações sexuais. Claro que isso mudou muito desde o aparecimento da doença. Mas sempre é algo que devemos falar e perguntar para o médico.
Devemos lembrar que as duas coisas mais importantes aqui são: só a camisinha impede a transmissão do vírus, e que hoje em dia os tratamentos para controle do vírus são muito eficazes e gratuitos no Brasil, e que quanto mais cedo uma pessoa souber que é portadora do vírus, melhor vai ser.

2-Uso de drogas

O consumo de drogas entre gays é algo a considerar. Aqui se incluem os “poppers”, maconha, ecstasy e anfetaminas. Todas têm efeitos colaterais sérios e podem levar a dependência, além de ser muito contra indicadas para quem é portador do HIV. Há relação direta entre o uso de drogas e a infecção por HIV.

  1. -Depressão/ansiedade.

 Os índices de depressão e ansiedade são maiores na população gay do que na população em geral. Isto está associado principalmente a dificuldade muitas vezes de se assumir perante a família e sociedade. Os índices de suicídio entre adolescentes gays é também maior do que em outros adolescentes, pelos mesmos motivos. Por isso se você se sentir deprimido, triste, ansioso, comendo muito, ou muito pouco, tendo problemas com sono, procure um médico ou psicólogo.

Os gays apresentam ainda alguns problemas de depressão e ansiedade relacionados com a dificuldade de se manter relacionamentos estáveis, mas cada vez mais há profissionais da área da saúde que podem auxiliar.

  1. Vacinação para Hepatite.

 Homens que mantém relações sexuais com homens apresentam um risco bem maior de se infectar pelos vírus da hepatite. Esta infecção pode ser fatal, ou levar a condições como a cirrose ou câncer de fígado.
As hepatites A e B já tem vacinas, o que é uma obrigação de todo gay tomar, mas a hepatite C ainda não e a única forma de se evitar qualquer uma delas é a prática de sexo seguro.

  1. Doenças Sexualmente Transmissíveis- DSTs

 As DSTs são mais frequentes em homens gays, algumas tem tratamento médico (gonorréia, sífilis, clamídia, sarna, etc.) e outras ainda não (hepatites, AIDS, HPV).
A única forma efetiva de prevenção é a visita regular ao médico e o uso da camisinha.

  1. –Câncer de próstata, testículo e cólon( reto/ânus)

 Devido as práticas sexuais, ao uso de hormônios anabolizantes , e a falta de exames periódicos os gays podem estar mais sujeitos a contrair estes tipos de câncer do que homens heterossexuais. O meio mais eficaz para se prevenir e identificar precocemente estes cânceres é a visita regular ao médico para realização de exames. Além disso qualquer alteração anal ou sexual e urinária deve ser vista por um médico.

7. Alcoolismo

     Muitos estudos médicos têm sido realizados nos últimos anos buscando as causas que levam os gays a apresentarem um maior consumo de bebidas alcoólicas e maiores índices de alcoolismo do que heterossexuais.
Uma taça de vinho tinto por dia está relacionada como um fator de proteção para doenças cardiovasculares, mas parece que a necessidade de aceitação social, o tipo de vida noturna e o uso das bebidas alcoólicas como forma de se desinibir estão entre os principais fatores de risco para o alcoolismo entre gays.

8. Tabagismo

     Estudos americanos mostram que homens gays fumam até 50% mais do que heterossexuais.
Os principais problemas relacionados com o tabagismo são: câncer de pulmão, doenças cardíacas, aumento da pressão arterial, impotência, entre outras.
     Nos Estados Unidos e na Europa já há várias campanhas para prevenção para o tabagismo entre gays.

9.Atividades físicas e dietas.

Os problemas com a imagem corporal são uns dos mais frequentes entre homossexuais do sexo masculino.
Este excesso de preocupação com a imagem corporal leva os gays a apresentarem maiores índices de desordens alimentares como a bulimia(comer e vomitar) e anorexia (magreza extrema às custas de dietas muito rigorosas).
     As atividades físicas regulares, especialmente as aeróbicas, como corrida e natação, são excelentes fatores de promoção à saúde, mas entre os gays há um consumo muito grande de hormônios esteróides anabolizantes, com intuito de se aumentar a massa muscular, que podem levar a sérios problemas de saúde como cirrose, hepatite, câncer de próstata, fígado e ginecomastia.
     Por outro lado, há também um grande número de gays sedentários e obesos, que podem levar ao aparecimento de doenças como diabetes, infartos e hipertensão.

  1. Papiloma anal e genital.

 De todas as doenças sexualmente transmissíveis que os gays podem adquirir, o vírus do papiloma humano, que causa lesões anais e genitais popularmente conhecidas como “ crista de galo”  ou condiloma, estão entre as mais perigosas.
     O papiloma anal e genital está associado a um alto índice de câncer anal e peniano entre os gays. Atualmente se recomenda que todos os gays sejam submetidos ao exame de Papanicolau  anal, que é muito útil para se detectar lesões iniciais e facilmente tratáveis. Um exame chamado de peniscopia também é muito útil e fácil de ser realizado. Ambos os exames são indolores. a única forma de se evitar o papiloma é o uso de preservativo e o índice de contaminação é muito alto.

Por isso é muito importante que antes de qualquer coisa você cuide de sua saúde, e que em hipótese nenhuma deixe de procurar serviços médicos.Salvador, Bahia, 12/10/2009 - Marcelo Cerqueira.

Grupo Gay da Bahia - ggb@ggb.org.br
Rua Frei Vicemte, 24 – Pelourinho
Fone (71) 3322 2552

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia