O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Homofobia em Cacol: Travesti é assassinada por crime de ódio ás margens do rio Machado

Elisa Sabatella Brasil

Quem é Elisa Sabatella Brasil? Perguntando assim, muitos que não a conheciam dirão se tratar de alguma celebridade da TV, do teatro ou do cinema. Não, ela não conseguiu chegar ao estrelato.

Aos 17 anos, Elisa, travesti, expulsa de casa, drogada e prostituída, teve a vida ceifada por motivos que ainda carecem de muita investigação, mas como Elisa era só uma travesti, órfã, em vida, de família, de escola, de igreja. Ninguém vai se importar com a morte dela... Elisa tinha muitos homens e, ao mesmo tempo, não tinha ninguém.

Elisa não tinha um amor para chorar sua partida. Se existe este amor, certamente, está chorando calado.  Já procurei por todos os lados e ninguém sabe me informar quem, de fato, foi Elisa. De onde veio Elisa? O que Elisa fazia em Cacoal se não era natural daqui? Onde está a família de Elisa? Onde está Elisa agora? Será que teve um enterro digno e cristão? É de duvidar! Segundo boatos, Elisa era de Alta Floresta do Oeste de Rondônia. Será? 

Por Thonny Hawany, rofessor no UNESC-Cacoal-Rondônia

Salvador,BA, quarta-feira, 19 de outubro de 2011 - 02h40min

Os boatos que correm pela rua é que Elisa, sem alternativa, estava jogada na rua como todos aqueles que são marginalizados pela sociedade. Elisa, viciada, prostituía-se para comer (O que?), morar (Onde?), para se drogar (Por quê?). 

Independente de qualquer coisa... Elisa era homem, era mulher, era adolescente, era criança e todos nós, que compomos esta sociedade injusta, somos culpados pelo mal-fadado dia em que Elisa seguiu seu algoz, até às margens do Rio Machado, para lá pagar pelo crime de ser homossexual. 

Elisa usava drogas, Elisa furtava seus clientes. Elisa estava doente. Ela tinha uma doença social que a muitos mata. Elisa era marginal, discriminada, segregada. Elisa não tinha igreja, Elisa não tinha Escola, Elisa não tinha família, Elisa foi expulsa de todos estes lugares por ser homossexual. 

Elisa estava de mal com o mundo e, por isso, o mundo virou-lhe as costas. De Elisa só sobrou a imagem que há muitos ela enviava pelo Orkut na tentativa de encontrar amigos, ainda que virtuais. De Elisa também ficou sua última imagem de mãos amarradas para trás, amordaçada e sufocada com uma mera e tenebrosa amordaça. Elisa se calou amordaçada diante de seu algoz. Todos nós nos calamos diante da morte de Elisa. Ninguém disse nada. Ninguém sabe de nada. Quem será a próxima vítima do criminoso que mata com tamanho requinte de crueldade?

Senhores vereadores e vereadoras de Cacoal, aproveito para lhes dizer: aí está o maior de todos os motivos para que votem e aprovem o Projeto de Lei que cria o Conselho Municipal LGBT. Este Conselho precisa ser realidade para retirar das ruas, dar emprego, escola, um retorno feliz para casa, e, possivelmente, um futuro melhor para as Elisas que, se não receberem auxílio do Estado, seguirão o mesmo caminho da Elisa Sabatella Brasil: 17 anos, travesti, drogada, prostituída, morta, às margens do Rio Machado, na cidade de Cacoal, no Estado de Rondônia, antes de virar estrela, aos 15 dias do mês de outubro de 2011: ironicamente, dia do professor..

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia