O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Alerta sobre Aids

Salvador, Bahia, 28/08 - A política brasileira de combate à Aids, baseada na prevenção e
no acesso universal dos doentes a medicamentos, pode se aproximar da
exaustão. Faltaria uma atitude decidida do governo federal na área
sensível da propriedade intelectual, alertam especialistas e militantes
do setor. Sem ela, o custo de distribuir gratuitamente os
anti-retrovirais pode tornar-se proibitivo e insustentável.

O alerta já circula há algum tempo entre ativistas. Chegou ao periódico
científico americano "Science". Antes da 16ª Conferência Internacional
sobre Aids, encerrada dia 18, a revista publicou um dossiê de 24 páginas
sobre o panorama mundial da síndrome, três delas sobre o Brasil, em tom
de preocupação.

O balanço de uma década do programa é amplamente positivo. Graças a ele,
nunca se verificou a projeção alarmista do Banco Mundial, feita em 1992,
de que no ano 2000 haveria 1,2 milhão de HIV-positivos no país. São 600
mil, atualmente.

Segundo a "Science", citando dados do Ministério da Saúde, a mortalidade
por Aids caiu 50% de 1996 a 2002. Noventa mil mortes foram evitadas; ao
mesmo tempo, houve economia de US$ 1,2 bilhão com gastos hospitalares.
Hoje, 172 mil pacientes recebem os anti-retrovirais.

O cerne da preocupação se encontra no custo por paciente da
distribuição. Ele partiu de US$ 6.240 anuais, em 1997, e caiu até US$
1.336, em 2004. No ano passado, saltou para US$ 2.500.

Por trás da queda vertiginosa esteve uma bem-sucedida política de
fabricação e importação, mas também uma tensa negociação com a
indústria. Não faltaram ameaças de licenciamento compulsório. Trata-se
de medida justificável, prevista -em caso de emergência de saúde
pública- nas regras da Organização Mundial do Comércio sobre propriedade
intelectual.

Já a disparada do custo em 2005 se explica pelo preço crescente das
novas gerações de medicamentos. Drogas como efavirenz,
lopinavir/ritonavir, tenofovir e T-20 são mais eficientes, mas
importadas a peso de ouro. Isso forçou o governo a aumentar em 72% o
desembolso, nos últimos quatro anos. Nesse ritmo, em 2008 o país
despenderia R$ 1,25 bilhão ao ano para medicar 215 mil HIV-positivos. O
gasto hoje é de R$ 945 milhões, 82% dos quais com a importação de nove
drogas (outras oito são fabricadas no Brasil).

Em junho passado, o governo ameaçou quebrar a patente de três
medicamentos. Voltou atrás e à mesa de negociações, que consumiram
meses. Terminou por obter reduções de até 50%.

Na Conferência Internacional, a diretora do Programa Nacional de
DST/Aids, Mariângela Simão, reafirmou o acesso universal como eixo da
política brasileira. Alertou, ainda, para as dificuldades erguidas por
regulamentos internacionais. Há razões para crer que logo o governo terá
de endurecer novamente a negociação, recorrendo ao instrumento de
pressão da quebra de patentes -além da política de ampliar a gama e a
quantidade de anti-retrovirais feitos no país.

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia