O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Anne Louise comanda o som no trio oficial da 10º  Parada Gay da Bahia
Confira entrevista exclusiva com a top Dj para o site do Grupo Gay da Bahia. Ela falou sobre sua carreira e planos para o futuro e sua ida para o Rio de Janeiro.

SALVADOR,BA, quarta-feira, 31 de agosto de 2011, 22h. Por Marcelo Cerqueira

Foto divulgação. Anne Louise atração do trio oficial da 10 Parada Gay da Bahia

Leia também, 10º  Parada Gay da Bahia.
Confira aqui a programação paralela da festa para você cair na gandáia!

Linda , loira, poderosa e dona de um estilo ímpar que faz o diferencial na cena eletrônica.  O site do GGB faz um bate papo com a Dj Anne Louise musa da cena eletrônica vai comandar o trio oficial da 10º Parada Gay da Bahia no dia 11 de setembro. Na entrevista fala sobre seu trabalho e os primeiros passos como Dj profissional. A loira diz que uma grande alegria de sua vida foi quando pode comprar os seus primeiros CDs com o trabalho musical. Ela continua sendo a mestra Dj da boate San Sebastian, apesar de ta morando no Rio de Janeiro. Têm planos para turnês nos Estados Unidos e na Argentina.

Marcelo Cerqueira. Anne Louise, esse nome feminino é de batismo ou artístico?
Anne Louise. É de batismo sim! Minha mãe tinha uma colega de faculdade chamada Anne... E daí veio à idéia, melhor a homenagem.

MC - Então, você começou tocando com bandas, não foi isso?
AL - Na verdade, não. Comecei como dj solo mesmo. Foi somente em 2008 que fundei, junto com mais outros três músicos a On The Floor e depois daí descobri a minha vontade de trabalhar com bandas e, especialmente, axé music. Foi dai que toquei no carnaval com Claudia Leitte e fiz trabalhos com Tomate, Carlinhos Brown...

MC - E como começou esse lance de fazer som mecânico com banda?
AL - A idéia era ter uma banda em formato compacto. Então o dj poderia substituir os diversos percussionistas e baterista, num formato moderníssimo, com batidas eletrônicas. Assim, fomos pro estúdio, e nasceu a On The Floor.

MC - E durou quanto tempo essa experiência?
AL - A On The Floor eu sai após o carnaval de 2010, quando senti que minha carreira solo dependia muito de mim e eu não estava mais conseguindo casar a minha própria agenda com a da banda.

MC - Foi bacana, valeu a pena?
AL - Sim! Claro! O meu crescimento tocando ao lado de profissionais tão capacitados foi incrível! As longas horas de estúdio e o fervor do palco me renderam uma experiência única, que poucos djs as vezes conseguem passar.

MC - Essa é a primeira vez que toca em Parada Gay?
AL – Não! Logo em 2007, quando comecei a tocar, fui convidada por Márcia Franco a ser uma das djs que comandariam o trio Off. E essa foi a primeira vez que toquei em Parada Gay. Hoje já tive a chance de estar em diversas paradas, em vários estados do país, o que pra mim é uma honra.

MC - Como foi essa experiência?
AL - Tocar pro grande público, pra tantas pessoas, é uma experiência maravilhosa. Pude me sentir muito realizada em todas minhas experiências em trio elétrico, tantos em paradas gays, quanto no carnaval de Salvador. É pra não dormir várias noites. Energia única!

MC - Como foi que surgiu o convite para fazer o som na San Sebastian?
AL - O convite surgiu pelo próprio André Magal, muito antes do clube ficar pronto. Fui à primeira dj a assumir residência da casa, a primeira a dar o play na inauguração. Uma honra enorme pra mim!

MC - E você ta tocando ainda lá na San?
AL - Apesar de hoje estar morando no Rio de Janeiro, continuo residente da San. É meu clube do peito, meu xodó. Não largo, nem largarei nunca!

MC - E essa experiência. Tocar para a moçada “descolada” em casa noturna?
AL - O público da San Sebastian é de fato diferenciado na cidade. Um público inteiramente descolado, que mescla diversas tribos num só lugar. É como eu disse, eu AMO a casa. Lá encontro meus amigos, parceiros e passo noites muito felizes.

MC - Esse seu jeito, assim, feminino, cabeluda, ajudou com as meninas?
AL - Bem verdade, esse jeito mais feminino me ajuda muito mais com os meninos do que com as meninas. Os meninos adooooram essa coisa super-mulher. Quanto mais mulher estou, mais eles elogiam! Tenho muito mais costume de tocar pra meninos do que pra meninas. Foi somente depois da Benditas, na San Sebastian, e do Café para Elas, em Sao Paulo, que comecei a ter mais intimidade com o público feminino.

MC - Como foi que rolou a idéia da festa Benditas, você barbarizou no som, não foi?
AL - Nós tínhamos interesse em fazer em Salvador uma festa para meninas, eu que já vinha tocando no Café para Elas e no Bubu Só para Elas, em São Paulo. Foi aí que surgiu a idéia e Zé Augustto, sócio da San Sebastian, sugeriu-me que convidasse outras meninas pra compor a idéia de diversidade da festa.

MC - Essa festa gerou muita repercussão, e ai, foi bom pra você?
AL - Tem sido maravilhosa a repercussão. A festa cresceu muito. É um conceito diferente, mesmo se tratando de Brasil. Em todo lugar que vou, os comentários são maravilhosos.

MC - Você esteve recentemente na Europa, como foi esse lance, tocou por lá?
AL - Fui tocar no Silk Club, em Lisboa. É um clube incrível, conceito, considerado pelo New York Times como o 4º melhor clube privado do mundo. Foi incrível pra minha carreira e um grande passo pras outras turnês ainda tão sendo programadas pra esse ano nos EUA e Argentina.

MC - O que achou das casas noturnas por onde você andou na Europa?
AL - Toquei no Silk, mas tive já oportunidade de conhecer muitas casas por lá. De fato, é um outro mundo. A ode a música, a felicidade e a liberdade é completamente diferente da forma como nos divertimos por aqui. E, obviamente, isso se reflete no trabalho do dj. Eles são muito mais apaixonados pela música eletrônica que os brasileiros, então temos liberdade de tocar o que quisermos inclusive músicas muito mais conceituais.

MC - E agora, fala pra gente. Quais são seus planos para sua carreira?
AL - Muitas novidades virão ainda esse ano. Estou planejando muito material, unindo-me a muita gente capacitada. Um deejay não existe artisticamente sozinho. São muitas pessoas colaborando pra que a deejay apareça no palco. Todas elas estão comigo e estamos traçando juntos estratégias diferenciadas pra atingir o mercado nacional ainda mais. E que venha 2012!

Agora vamos entrar um pouco na intimidade de nossa musa eletrônica. Vamos saber o que ela usa no dia a dia, os cremes para os cabelos, e haja cremes, shampoo para manter essa beleza toda. Vamos conhecer um pouco mais de seus gostos mais secretos, vamos lá. Shampoo?  O que Emir Freitas me indicar. Meu hairstylist luxo!
Pasta de dente?  Meus pais são dentistas e patrocinadíssimos pela Colgate.
Creme de cabelo?  Alfaparf
Amor?  Intenso
Família? Porto seguro
Trabalho? Vício
Musica? Paixão eterna
DJ?  Carl Cox

 Homem?  Meu pai
Mulher?  Minha mãe
Casa noturna?  San Sebastian
Adora? Intimidade
Tem restrição?  Forçar amizade
Uma coisa marcante em sua vida?  Quando comprei meus cdjs com o dinheiro que ganhei como dj
Seus olhos?  Me entregam
Sua boca?  Minha certeza
Seus dedos?  Agilidade
Sexo?  Desejo
Se você não fosse você?  Eu seria Angelina Jolie
Festa inesquecível?  Xxxperience Salvador
Amor platônico? Não tenho

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia