O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

GGB divulga relaçao de crimes contra no Brasil

Relatório anual do Grupo Gay da Bahia

SALVADOR, BA, 08/04/08 - 122 homossexuais e travestis foram  assassinados no Brasil em 2007, um a cada três dias. Aumento de 30% em relação ao ano anterior. 70% gays, 27% travestis, 3% lésbicas. No Brasil, o  risco de uma travesti ser assassinada é 259 vezes maior do que um gay. Bahia é pela primeira vez o estado mais violento, 18 assassinatos e o Nordeste a região mais perigosa: um gay nordestino corre 84% mais risco de ser assassinado do que no Sul e Sudeste. Maioria das vítimas tem entre  20-40 anos. Predominam entre as vítimas, as travestis profissionais do sexo, professores, cabeleireiros, ambulantes. Gays são assassinados sobretudo dentro de casa, a facadas ou estrangulados, enquanto travestis são executadas na rua, a tiros, cada vez mais atacados por motoqueiros. Quanto aos assassinos, 80% são desconhecidos e  65% são menores de 21 anos. O Brasil é o campeão mundial de crimes homofóbicos, com mais de 100 homicídios por ano, seguido do México com 35 e Estados Unidos com 25. O Grupo Gay da Bahia disponibiliza o manual “Gay vivo não dorme com o inimigo” como estratégia para erradicar os crimes homofóbicos.

Em 2007 foram assassinados 122 homossexuais no Brasil,  30%  a mais do que no ano anterior. Um assassinato a cada três dias. O número verdadeiro deve ser  muito maior, pois além de faltar informações sobre 4 Estados: Rio Grande do Sul, Amapá, Rondônia e Roraima, tais dados baseiam-se em notícias de jornal e internet, já que não existem estatísticas governamentais contra crimes de ódio no Brasil. Tal Relatório, embora certamente incompleto e lacunoso, é o principal documento mundial sobre crimes homofóbicos, seus dados são citados tanto pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos quanto pelo Departamento de Estados dos EUA.
O Relatório Anual é realizado desde 1980 pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), entidade de utilidade pública municipal e estadual, a mais antiga ONG de defesa de direitos humanos dos homossexuais na América Latina.

De 1963 a 2007 foram documentados 2802 assassinatos de gays, travestis e lésbicas no Brasil, concentrando-se 18% na década de 80, 45% nos anos 90 e 35% (972 casos) a partir de 2000.  Somente nos três primeiros meses de 2008 já foram registrados 45 homicídios de gays no país. “Este ano a violência homofóbica está ainda mais preocupante, informa o Prof.Luiz Mott, responsável pela coleta de dados: enquanto nos Estados Unidos são mortos 25 gays por ano, 35 no México, no Brasil anualmente são assassinados mais de uma centena! Um verdadeiro HOMOCAUSTO!”

Apesar da crescente maior visibilidade e atuação do Movimento Homossexual Brasileiro, e do governo Lula ter instituído o Programa Brasil Sem Homofobia, a violência anti-homossexual vem crescendo nos últimos anos, sobretudo no Nordeste: enquanto  na última década Pernambuco foi sempre o estado onde mais homossexuais foram assassinados, pela primeira vez a Bahia ocupa o primeiro lugar desta mortandade, com 18 execuções, Pernambuco 17, Rio Grande do Norte 9 e Alagoas 8 homicídios.  Confirma-se o  Nordeste como a região mais homofóbica do país, com  60% dos homicídios, seguido do Centro/Oeste, com 17%, Sul-Sudeste com 16% e Norte, 7% das mortes contra GLTB. O risco de um homossexual do Nordeste ser a próxima vítima é 84% mais elevado do que no sul-sudeste!
Em termos relativos, os estados mais ameaçadores são Rio Grande do Norte e Alagoas, ambos com pouco mais de 3 milhões de habitantes, ostentando respectivamente 9 e 8  assassinatos, enquanto S.Paulo com população de 40 milhões, teve número inferior de mortes, 7 homicídios. O Maranhão, com população quase sete vezes inferior à “paulicéia desvairada”, teve o mesmo número de gays assassinados.

Em 2007, 70% das vítimas eram gays, 27% travestis e transexuais e 3% lésbicas. Proporcionalmente, as “trans” representam a categoria mais vulnerável, pois enquanto os gays e lésbicas devem representar mais de 20 milhões de brasileiros, as transexuais e travestis, segundo cálculos de suas próprias associações, representam por volta de 20-30 mil indivíduos, o que vale dizer que as travestis correm 259 vezes mais risco  de ser morrer vítima de uma arma de fogo do que os gays.
As lésbicas, como nos anos anteriores, raramente ultrapassam 3% das vítimas: embora outras pesquisas revelem que as “entendidas” sofram maior violência física e constrangimento moral dentro de casa, são muitíssimo menos assassinadas que os homens gays e travestis.

Quando a idade das vítimas, o mais jovem  foi um gay de Salvador, estudante de 14 anos, sendo que 13% os GLBT tinham menos de 21 ao ser assassinados. 54% dos mortos estavam na flor da idade, entre 21-40, e 33% tinham mais de 41 anos. O mais idoso, foi um médico homossexual de 70.

Entre as vítimas há  gays pertencentes a todos os setores profissionais, predominando professores, estudantes, vendedores, cozinheiros, pais de santo, cabeleireiros, enfermeiros e profissionais liberais. 73% das travestis eram profissionais do sexo  a categoria ocupacional mais vulnerável a estes crimes de ódio. Tal predominância se explica devido à prática da prostituição nas ruas e estradas, zonas muito freqüentadas por marginais, daí as travestis serem  predominantemente assassinadas  a tiro (40%) em espaços públicos, enquanto os gays são executados dentre de casa, a facadas (31%), ou vítimas de estrangulamento, pancadas, pauladas, asfixia. Requintes de crueldade e tortura prévia fazem parte da maioria dos crimes contra homossexuais, incluindo execuções por afogamento, garrafada, degolamento, introdução de objetos no ânus, esquartejamento. Um gay de Caxias, no Maranhão, foi executado com 26 facadas!

Quanto aos assassinos, choca o fato de que  80% destes crimes tem “autor desconhecido”, ou por terem sido praticados altas horas da noite,  em locais ermos, ou pela omissão das testemunhas, que devido ao preconceito anti-homossexual, não querem se  envolver com vítimas tão desprezíveis. Também chocante é predominância de assassinos adolescentes: 65% dos homicidas de  gays e travestis tinham menos de 21 anos, o mais jovem apenas com 13 anos, geralmente agindo em grupo. Dos 20% de criminosos identificados, menos de 10% chegam a ser detidos e  julgados, e mesmos estes, alegando legítima defesa da honra, são beneficiados com  penas leves ou injustamente absolvidos. Entre os assassinos de GLTB em 2007 predominaram os garotos de programa, vigilantes, pedreiros. 44% destes criminosos usaram moto para atirar nas vítimas.

Para o Presidente do GGB, Marcelo Cerqueira, “há três soluções imediatas contra os crimes homofóbicos: ensinar à população, sobretudo aos jovens, a respeitar os direitos humanos dos homossexuais; exigir que a Polícia e Justiça punam com toda severidade a homofobia e sobretudo, que os próprios gays e travestis evitem situações de risco, não levando desconhecidos para casa, evitando transar com marginais, denunciando e gritando quando ameaçados.” O GGB disponibiliza em seu site [www.ggb.org.br]  o texto “GAY VIVO NÃO DORME COM O INIMIGO”, ensinando como evitar ser a próxima vítima.

Maiores informações: [71] 3328.3782  9989.4748
 

 

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia