O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Confederação Brasileira de Bandas e Fanfarras

Baliza masculino impedido de desfilar em Fanfarras de Salvador e todo o Brasil
Editoria local Salvador, Ba, 01/06/2010 por MARCELO CERQUEIRA


Fotos: GGB imagem

Baliza no 2 de Julho de 2009 em Salvador,BA.

 

Uma questão que ta pra lá de ser resolvida nos próximos meses e tem sido motivo de angústia para muitos jovens que se dedicam à profissão de baliza em Fanfarras de Salvador. O Grupo Gay da Bahia (GGB) recebeu uma denúncia de possível homofobia por parte de dirigentes da Associação de Fanfarras do Estado da Bahia (AFAB) e resolveu entrar no debate para junto com outros órgãos e entidades intermediar o impasse criado pela proibição de rapazes gays não poder competir na categoria de baliza nas evoluções das bandas. A proibição consta de itens como vestuário usar uniforme adequado ao seu sexo, realizar coreografia compatível ao sexo masculino. Como não existe premiação para baliza masculino, eles não podem participar com base no regulamento, franqueado as apresentações publicas sem necessidade de clasificação.

A denúncia chegou através do site da entidade na internet na ultima sexta-feira postada por José dos Santos, 29 anos, professor de ginástica rítmica e baliza oficial da Fanfarra Impacto do Colégio Estadual Severino Vieira em Nazaré. Silva é vencedor consecutivo de nove concursos na categoria de baliza é um profissional e muito querido por toda a banda. Ele que já investiu mais de 1,5 mil reais em roupas e acessórios teme o prejuízo por não poder participar do próximo campeonato previsto para os meses de Julho a novembro nos vários municipios da Bahia.

O GGB procurou ouvir Edmilson Castro de Oliveira, presidente da AFAB para buscar esclarecimentos sobre a proibição. De acordo com o presidente a Confederação Nacional já tem essa postura e ele se defende das acusações apresentando possíveis argumentos técnicos “Tecnicamente seria injusto para ambos que meninos concorressem com meninas” disse indicando para a necessidade de criar uma regra para que meninos possam competir e ser avaliado no próximo ano. “Entrariam na competição como baliza masculino, com função especifica, atendendo a regulamentação e roupa” afirma Oliveira que ainda diz ter os meninos maior resistência que as meninas nas evoluções.

Procurado pelo site do GGB em São Paulo o maestro Ronaldo Faleiros da Confederação Nacional de Bandas e Fanfarras em São Paulo, foi categórico e nos indicou olhar o regulamento da atividade disponível na página onde existem as atribuições de baliza do sexo feminino, não existindo a categoria baliza masculino.

O artigo 45 do Regimento descreve que a corporação musical poderá ter várias balizas, sendo que apenas 1 (uma) será avaliada, considerando que a apresentação é individual. No que se refere ao gênero masculino o artigo 50 é taxativo no caráter da proibição que o baliza não pode ser julgado e nem premiado e será desclassificada. Caso a corporação insista na apresentação da baliza masculino desobedece o parágrafo § 2° que indica o não cumprimento do Art. 50 por parte do baliza masculino, quando houver, ocasionará na perda de 5 pontos do total do corpo musical, 5 pontos do corpo coreográfico, 5 pontos do Mor e 5 pontos da baliza. Quer dizer o massacre da Fanfarra.

Pesquisadora diz que não se deve limitar a criatividade dos membros e baliza

A professora e pesquisadora Ana Alice do Núcleo de Estudos Interdisciplinar da Mulher da Universidade Federal da Bahia (NEIM-UFBA) vê essas normas como excessivas e representam um retrocesso na História. Ela acredita que essas normas são inconstitucionais fazendo ainda referencia a tradição de 2 de Julho na Bahia onde de forma democrática  a população aplaude, espera os baliza másculos que são os mais aplaudidos e isso também deve ser estendido aos concursos fechados. “Estamos construindo uma história que homens e mulheres possam desenvolver as mesmas atividades sem preconceitos e tabus”, disse a professora indignada com a proibição.  “Em relação aos critérios, se acham convenientes e necessários devem ter o cuidado de limitar a criatividade artísticas e nem devem botar camisa de força nos jovens com isso”, afirma.  “Se no campo da música as Fanfarras estão avançando, tocando músicas populares, porque o simbólico da banda não pode inovar?”, conclui a professora Ana Alice.

A baliza é a alma da Fanfarra, aquela pessoa que abre e indica os caminhos para que a banda possa evoluir, superior que a baliza só o maestro. As evoluções da baliza são realizadas com passos de ginástica rítmica e acrobática com uso de fita, bola, arco e massa madeira para essas evoluções. É preciso ter boa resistência e força física para essas evoluções, isso tem sido um ponto favorável aos meninos que muitos conseguem arrebatar todos os prêmios dos concursos. Alguns integrantes de bandas adversárias acreditam que essa campanha contra os gays que desfilam como balizas são de autoria das bandas que tem moças como baliza e que não conseguem ganhar a premiação no item baliza.

O GGB deverá enviar a denúncia ao Ministério Público nessa semana para que a matéria seja avaliada a luz da igualdade entre os gêneros. O GGB não gostaria de colocar dois grupos historicamente discriminados, como mulheres e gays em situação limite de disputa por espaços de poder.

O clima ferveu na reunião de Camaçari

A reunião que ocorreu nas dependências da Câmara Municipal de Camaçari não foi muito tranqüila e o clima esquentou quando o tema da pauta começou a tratar da caracterização de homossexuais nos desfiles. O residente Edmilson falou da caracterização dos homossexuais travestidos. Segundo ele não será mais tolerado, sob nenhuma hipótese: maquiagem, calçados femininos, roupas ou trejeitos com características femininas, dos participantes masculinos das corporações. Ainda quando a terminologia da aplicação das palavras tratou-se que não será mais permitido, também, o chamado "Baliza masculino", visto que tal denominação não existe e a corporação que persistir em apresentar baliza masculino, será sumariamente desclassificada.

O representante da Impacto, Dailton, manifestou-se falando sobre a preensão causada por baliza da sua corporação. A resposta as inquietações do presidente da Impacto foi explicado que não se trata de discriminação ou homofobia da parte da Associação, mas de uma necessidade pois existe uma constatação de que na opinião do presidente estão  perdendo participantes, público e patrocinadores, já que os jovens estão se afastando por acharem que existem apenas homossexuais, no movimento de bandas e fanfarras. Baliza somente do sexo feminino. Diante dessas questões postas na reunião, pessoas como José Silva, baliza da Fanfarra Imapcto de Salvador do sexo masculino não poderá participar e deverá amargar o prejuízo financeiro com valores gastos em roupas e adereços, uma injustiça.

Uma perseguição antiga

Mesmo que pese os aplausos e as saudações gloriosas as balizas quando eles e elas estão desempenhado-se a frente da Fanfarra, essa ação ainda sofre de preconceito por parte de membros dos órgãos reguladores. Cerca de cinco anos passados o baliza masculino de prenome Willian de Santo Amaro da Purificação foi alvo de preconceito qual culminou na sua expulsão da Fanfarra local, a contra gosto da população que tinha verdadeira adoração ao jovem artista. Ele foi agredido por dirigentes da Fanfarra e o GGB se deslocou até a cidade para prestar solidariedade a ele. Recentemente em 2009 o GGB chamou atenção da sociedade para essa realidade cruel.

 

Matérias relacionadas

Balizas acrobáticas viram atração no 2 de Julho na Bahia

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia