O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Sexo rola em banheiros de shoppings

Vigilante diz que prática é antiga; militantes gays condenam comportamento,temendo riscos e preconceito.

Anderson Sotero
Da equipe de reportagem
do Jornal da FACOM

“Deve-se fazer tudo que se tem vontade. Antes que seja tarde demais”. Esta afirmação é a resposta dada por A. T., noivo de uma mulher há 5 anos, quando inquirido sobre o que costuma fazer em banheiros públicos. Para ele (e muitos outros), banheiros são sinônimos de satisfação sexual rápida e anônima. Encontros fortuitos entre pessoas do mesmo sexo ocorrem amiúde em banheiros de locais públicos como shoppings centers, rodoviária, estações de transbordo como a Lapa, cinemas, etc. M.S., segurança de um dos shoppings mais populares de Salvador, estima que isto aconteça há anos.

Ele assegura que são sempre as mesmas pessoas que “freqüentam” os banheiros. São clientes, atendentes de loja que aproveitam suas pausas, além de alunos de cursinhos pré- vestibulares. “Eles chegam às vezes a subir no vaso sanitário para espiar a pessoa que está no outro lado”. Flagrar esses encontros tornou-se algo corriqueiro para M.S. Ele conta que, quando a situação esquenta, é necessário abordar os praticantes, que quase sempre alegam estar sofrendo discriminação, devido à sua orientação sexual. O que se desconhece é que praticar ou simular ato obsceno que ofenda o pudor público em geral pode ser enquadrado como crime, desde que haja conotação sexual. A lei brasileira prevê pena de reclusão de três meses a 1 ano ou multa para praticantes desse tipo de ato.

Para A.T., que se considera heterossexual, ter conhecimento da proibição não é impeditivo, é ainda mais estimulante. Porém, ele faz questão de destacar que, nas relações homossexuais que pratica, assume sempre a postura de ativo, isto é, aquele que penetra, o“macho”. O banheiro é um local recorrente por ter também um grau de exposição reduzido. “Em espaços abertos, eu não me arriscaria e minha noiva poderia ficar sabendo”, afirma convicto. Já para Daiane Moura, 22 anos, um gay que prefere ficar num lugar escondido é porque “não tem personalidade”. Em sua opinião, é preciso encarar a sociedade, desprezando o preconceito. “Você não se assumindo tem preconceito contra si mesmo”. Vale ressaltar que, após Daiane ter assumido ser lésbica, parte de sua família cortou por completo as relações que tinha com ela.
Riscos
Expor-se ainda é um risco grande. Sabe-se que o ódio e a repulsa cultivados por pessoas homofóbicas se refletem, em muitos casos, em agressões verbais e físicas cometidas contra homossexuais. Segundo dados difundidos pelo GGB (Grupo Gay da Bahia), a cada dia no Brasil um homossexual é assassinado com requintes de crueldade. Neste cenário de intolerância, banheiros podem ser um meio facilitado de se obter prazer sexual, sem demasiada exposição, dispensando as etapas de apresentação – procedimentos comuns utilizados quando se quer
conhecer alguém.

Alguns “encontros” são combinados a partir de trocas de olhares, através dos espelhos, enquanto, geralmente, se finge estar lavando as mãos. Se houver reciprocidade no flerte, utiliza-se, então, de gestos para indicar a cabine disponível. Otaviano Reis, coordenador do GGB, defende que banheiros são exclusivamente para atender às necessidades fisiológicas.

Acredita também que este fato prejudica a imagem que a sociedade pode ter dos homossexuais, o que pode levar a generalizações preconceituosas, estimulando a discriminação. Outro risco dos encontros é a ausência de medidas de proteção contra as doenças sexualmente transmissíveis, sobretudo a AIDS. P. S., operador de telemarketing, reconhece que nunca utilizou nenhum tipo de proteção, mas que, até hoje, somente fez sexo oral e masturbação, nada mais além disto, como se desta forma estivesse isento.

Banheiro exclusivo gera polêmica
Após sua filha de 6 anos ter presenciado a troca de roupas de um travesti em um banheiro feminino, o presidente da escola de samba Viradouro (Niterói-RJ) propôs, no ano passado, a criação de um banheiro diferenciado: exclusivo para travestis e transexuais. A proposta do sambista não foi a única. No dia 13 de dezembro de 2005, foi aprovado pela Câmara Municipal de Nova Iguaçu, interior do Rio de Janeiro, um projeto de lei obrigando casas de shows, shoppings, cinemas, restaurantes, clubes e similares a criar o 3º tipo de banheiro. No ano de 2006, atendendo às reivindicações de um grupo de travestis que não se sentem à vontade para utilizar o banheiro masculino, nem o feminino, a Câmara de vereadores do município de Pombos, no agreste de Pernambuco, decidiu aprovar projeto de lei com a finalidade de construir um banheiro destinado a homossexuais.

Algumas organizações e grupos que são contra a criação desses banheiros alegam que as pessoas devem ser reconhecidas pelo que denominam “identidade de gênero”. Não devem existir vários banheiros para distinguir as pessoas. Acreditam que cada um deva utilizar os banheiros com sua identidade de gênero. Segundo Otaviano Reis, coordenador do GGB, o grupo é completamente contra a criação desse tipo de banheiro. “É uma atitude preconceituosa”. Adria Verusca, 24 anos, estudante de Enfermagem, vê o projeto como algo semelhante ao que foi feito na Alemanha por Hitler. “O que é que impede uma pessoa que tem uma orientação sexual diferente daquela da maioria, freqüentar o mesmo banheiro?”, questiona indignada. Salvador, Ba, 20 de dezembro de 2006 -

confira no site: http://www.jornaldafacom.ufba.br/v3/reportagens/reportagem_01.htm

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia