O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  


Parada Gay da Bahia protesta contra o Bradesco

A IV Parada Gay da Bahia nesta edição fará protesto contra o Banco Bradesco na apoteose do evento no Campo Grande e em todo o trecho onde o cortejo vai passar nesse próximo domingo dia 4 de setembro. A organização da Parada está sensibilizada com a situação de opressão vivida pelo ex-gerente Antonio Ferreira, que acusa na Justiça do Trabalho e na Vara Crime o Banco por assedio moral, danos morais e homofobia generalizada.

Ferreira tinha o hábito de decorar a agência do Banco onde ele trabalhava com balões de borracha (bexiga) usando as cores vermelho e branco, marca tradicional da empresa. O Gerente Regional da agência, Fernando Tenório, segundo Ferreira dizia que balões são coisas de bicha, numa alusão explicita e opressora a sexualidade de Ferreira. Como uma resposta a essa pratica a IV Parada Gay da Bahia este ano vai decorar os trios elétricos usando os referidos cores em solidariedade ao ex-gerente demitido. Frases de protesto também serão ostentadas em pirulitos e faixas ao exemplo; Bradesco: tô fora; Bradesco: discriminação e preconceito.

Corre-se a notícia de que o alto executivo do Banco deu ordem aos advogado de pagar 5 milhões para não pagar 1 milhão de indenização trabalhista ao ex-gerente de acordo com a sentença concedida pela juíza Margarete Rodrigues da 24a Vara do Trabalho de Salvador no dia 9 de agosto passado.

A empresa Millet Advogados Associados, com escritório no bairro do Itaim Bibi, São Paulo, protocolou contestação que consta de 32 páginas na defesa do Banco. “Tenho muito respeito por essa atitude corajosa e cidadã de Ferreira que deve servir de exemplo a todos”, declarou Marcelo Cerqueira, presidente do GGB. Muitos homossexuais são demitidos por homofobia e por medo de não conseguir emprego em outras empresas não denuncia o assédio moral.

O segundo passo pós-parada será motivar os gays e lésbicas a não abrir conta do Bradesco e cancelar as existentes. Porque ainda na opinião de Cerqueira, o Banco carece de valor social acrescido ao seu produto financeiro. Maiores informações - 71 9989.4748 – Cerqueira - 9971 –9383 com Ferreira.

Outras notícias

CASO BRADESCO: GGB ameaça icentivar gays a fechar contas no Banco

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia