O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

GGB é Centro de Referência e Cidadania Homossexual

Serviço de atenção aos homossexuais baianos
Parceria com o Ministério da Justiça garante atenção jurídica, psicologia e social a homossexuais
DA ASSESSORIA DO GRUPO



Psicologos do Centro de Cidadania(E) Mauricio de Souza e Bruno Carvalho, estagiario (D). Atenção e orientação a homossexuais que necessitam de apoio na área da saúde mental.

 


Marcelo Cerqueira, presidente do GGB, Debora, estagiária de assistentência social, Jean Wyllys e Mauricio Brasil, psicologo do Centro de Referência e Cidadania Homossexual do GGB.

 

 

 

Desde o início deste ano está em funcionamento na sede do Grupo Gay da Bahia (GGB) o Centro de Referência e Cidadania Homossexual Joãzinho da Goméia (CRCH JG), uma das ações do Programa do Governo Federal “Brasil sem Homofobia”, fomentado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República em parceria com diversos ministérios e lideranças GLBT’s do Brasil.
O Programa “Brasil sem Homofobia”, assim como o Centro de Referência, visa o combate à homofobia e a redução da violência e práticas discriminatórias em relação à toda população GLBTTT (gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transsexuais e transgêneros), por razões relativas à orientação afetivo-sexual e identidade de gênero. O Centro de Referência oferece assistência jurídica, psicológica e social a gays, lésbicas e travestis, com vistas a minimizar as conseqüências danosas dos preconceitos sociais vivenciados, assim como garantir a legitimidade de seus direitos enquanto cidadãos de direitos.
A homofobia é inegável e, infelizmente, vem deixando vítimas fatais. Cidadãos são mortos por tornarem pública sua homossexualidade. Quando as vítimas não são fatais, restam-lhes conviver com traumas e seqüelas físicas e/ou psicológicas por vezes irrevogáveis. A discriminação pode acontecer em diversos contextos sociais, no próprio seio familiar, na escola, vizinhança, igreja, local de trabalho, bares, restaurantes, estabelecimentos de saúde, dentre outros locais públicos e privados. A cada ano cerca de 10 a 20 gays, lésbicas ou travestis são brutalmente assassinados no Estado da Bahia, vítimas do ódio anti-homossexual. Só neste ano, até o mês de Agosto, o GGB contabilizou oito assassinatos de homossexuais no estado da Bahia, o que vem a comprovar que a intolerância sexual ainda persiste.
Combater a homofobia é trabalhar na promoção do respeito à diversidade sexual, à cidadania, e no combate às várias formas de violação dos direitos fundamentais da pessoa humana. Orientação afetivo-sexual, diferenças sexuais, homofobia, identidades de gênero, papéis de gênero, dentre outros, são temas poucos debatidos, o que vem a contribuir para a construção e manutenção de estereótipos e preconceitos em nossa sociedade.
Em pouco tempo de equipe habilitada, o Centro de Referência e Cidadania Homossexual Joãozinho da Goméia já contabiliza denúncias que vão de maus-tratos familiares à discriminação de gays no trabalho, no acesso à bares e como alvo de xingamentos de rua. E como nos relata a advogada Dra. Daniela Neves “a orientação que fornecemos é importante no combate ao preconceito para que a vítima colete as provas que comprovem o ato discriminatório. Desta forma poderemos ingressar com uma ação moral, talvez por perdas e danos e fazer valer o direito constitucional – seja o de ir e vir, o de aparência, dentre outros, e esta é a nossa contribuição neste centro de referência, muito mais orientação, esclarecimentos e incentivo ao conhecimento dos direitos do que o enfrentamento e demandas judiciais exaustivas”.
Como “a união faz a força” a realização de convênios e parcerias entre instituições públicas e privadas que possam tornar a vida da comunidade GLBT menos sofrida estão sendo construídas pelo Serviço Social do Centro, que, dentre suas principais demandas, depara-se com situações desesperadas de uma população gay pobre, de periferia, sem grau de instrução elevado, com falta de vale transporte, de moradia, emprego e renda, educação, alimentação, saúde, lazer.
De acordo com a assistente social do CR a população atendida é uma minoria desprovida de condições básicas de sobrevivência e desassistida pelas políticas públicas e pela sociedade e seus direitos enquanto cidadãos não são respeitados devido à sua orientação sexual. A falta de informação da sociedade como todo (incluindo a população GLBT), tem contribuído para o aumento da discriminação e da intolerância contra os homossexuais, e o CR vem trabalhando com o objetivo de diminuir a exclusão dessa população e inseri-los no meio social. Para isso o trabalho realizado tem sido continuo, perseverante e com toda dificuldade o serviço vem se fortalecendo enquanto suporte social, construindo uma rede de parcerias, para poder encaminhar seus usuários aos serviços disponíveis na sociedade.
Já para o psicólogo Dr. Mauricio Brasil os atendimentos psicólogos não se restringem à realização de psicoterapias e “num primeiro momento fazemos um trabalho de acolhimento das pessoas que nos procuram com algum grau de sofrimento, daí escutaremos sua demanda e buscaremos dar o mínimo de resolutividade para seu caso, pois em se tratando do ser humano, cada caso é um caso, cada pessoa terá uma necessidade diferente”. A principal demanda é de jovens e adolescentes vítimas de violência e discriminação no seio familiar, ambiente escolar e local de trabalho, assim como dúvidas e conflitos relacionados à sexualidade.
No Serviço Psicológico realizamos entrevistas de acolhimento, atendimentos em crise, orientações com relação a conflitos conjugais, esclarecimento de dúvidas com relação à sexualidade, orientação sexual, preconceitos e quanto às questões DST’s/AIDS numa perspectiva psicoeducativa, acolhendo os aspectos psicológicos subjacentes ao processo de dar informações. Para que apresenta conflitos psicológicos mais “graves” e “intensos” é realizado o que chamamos de “acompanhamento terapêutico e um posterior encaminhamento para outros órgãos da sociedade. É importante lembrar que à medida em que temos acesso aos familiares, estes também têm suas dificuldades atendidas.

 Serviço: Centro de Referência e Cidadania Homossexual Joãzinho da Goméia
Localização: Rua Frei Vicente, n.24 – Pelourinho / Salvador – Bahia (Sede do Grupo Gay da Bahia)
Horário de atendimento: Segunda à Sexta-feira, das 09 às 12hs, e das 14 às 18hs.
Contatos: 71 3322 2552 e 3321 1848 - ggb@ggb.org.br

 

 

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia