O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

SEU VERÃO, Sua saúde! Saiba tudo sobre clamídia e aprenda a se prevenir da doença que afeta 3/4 mulheres.

Salvador, 27 de janeiro de 2011 - ás 19h30 - Editoria do site

Foto divulgação

Detalhe da doença no homem.


 

Nada como a saúde em boa forma para curtir o verão na Bahia. Pois é! É importante lembrar da prevenção e do uso do preservativo, mesmo que muitos não queiram usar por diversos motivos, mas é importante propor ao parceiro ou a parceira o uso. O preservativo é a barreira física mais eficaz contra as DST.

Vamos dá um toque em relação à clamídia. Uma doença silenciosa que afeta muitas mulheres e o pior é que muitas transmitem e nem sabe que estão transmitindo a bactéria para os seus parceiros. Isso porque são raros os casos que na mulher pode aparecer um corrimento, ela tem e não sabe. Uma pessoa pode contrair a bactéria pelo sexo oral, anal e vaginal.

O corrimento só aparece no homem como uma secreção, uma gota toda manhã quando ele vai urinar, geralmente arde e dói a bexiga. O tratamento é fácil através de antibióticos. É importante que um homem contaminado informe a sua parceira fixa ou eventual para que ela possa se tratar também. Veja abaixo mais detalhe sobre a doença.

O que é clamídia ?
A clamídia é uma doença sexualmente transmissível comum causada pela bactéria chlamydia trachomati, a qual pode danificar os órgãos reprodutores da mulher. Ainda que os sintomas da clamídia sejam geralmente moderados ou ausentes, ela pode gerar complicações sérias que causam danos irreversíveis, incluindo infertilidade, antes que a mulher reconheça o problema. Clamídia também causa secreção no pênis de homens contaminados.

Como as pessoas contraem clamídia?
A clamídia pode ser transmitida durante o sexo vaginal, anal ou oral. Clamídia também pode ser passada da mãe infectada ao bebê durante o parto natural.
Qualquer pessoa sexualmente ativa pode ser infectada com clamídia. Quanto maior o número de parceiros sexuais, maior o risco de infecção. Uma vez que o cérvix (entrada para o útero) de garotas adolescentes e mulheres jovens não está totalmente amadurecido, ele está sob risco particularmente alto de infecção em atividades sexuais. Já que clamídia também pode ser transmitida pelo sexo oral ou anal, relações homossexuais masculinas também apresentam risco.  

Quais são os sintomas da clamídia?
Clamídia é conhecida como uma doença "silenciosa" porque em torno de 3/4 das mulheres e metade dos homens infectados não apresentam sintomas. Caso os sintomas apareçam, eles geralmente se manifestam entre 1-3 semanas depois da contaminação.

Nas mulheres a bactéria inicialmente infecta o cérvix e a uretra. Mulheres que apresentam sintomas podem ter secreções vaginais anormais e sensação de queimação ao urinar. Quando a infecção se espalha do cérvix aos tubos de falópio algumas mulheres ainda podem não apresentar nenhum sintoma, outras têm dores no abdômen inferior e na parte de baixo das costas, náusea, febre, dor durante o sexo e sangramento entre os ciclos menstruais. Infecção de clamídia no cérvix pode se espalhar para o reto.

Homens com sintomas podem ter secreções no pênis ou sensação de queimação ao urinar. Homens também podem ter queimação e coceira ao redor da abertura do pênis. Dor e inchaço nos testículos são incomuns.

Homens ou mulheres que tiveram intercurso anal receptivo podem adquirir infecção de clamídia no reto, o que pode causar dor na região, secreções ou sangramento. Clamídia também pode acontecer na garganta de homens e mulheres que tiveram sexo oral com parceiros infectados.

Quais são as complicações resultantes da clamídia não tratada?
Caso não tratada, as infecções de clamídia podem progredir para sérios problemas reprodutivos e de saúde com conseqüências de curto e longo prazo. Assim como a doença, os danos que a clamídia causam são freqüentemente "silenciosos".

Como a clamídia é diagnosticada?
Há testes laboratoriais para diagnosticar clamídia. Alguns são teste de urina, outros requerem que seja coletada uma amostra do local como o pênis ou cérvix.

Para ajudar a prevenir as conseqüências sérias da clamídia, é recomendado exame pelo menos uma vez por ano para todas a mulheres sexualmente ativas abaixo de 26 anos. Um teste anual é recomendado para mulheres mais velhas com fatores de risco para clamídia (novo parceiro sexual ou múltiplos parceiros). Todas as mulheres grávidas devem fazer teste para clamídia.

Como é o tratamento para clamídia?
Clamídia pode ser facilmente tratada e curada com antibióticos. Todos os parceiros sexuais devem ser avaliados, testados e tratados. Pessoas com clamídia devem abster-se de intercurso sexual até que elas e seus parceiros sexuais estejam completamente curados, do contrário a infecção pode ocorrer novamente. Ter múltiplas infecções de clamídia pode colocar a mulher sob alto risco de complicações reprodutivas, incluindo infertilidade.

Como clamídia pode ser prevenida?
A forma mais segura de evitar doenças sexualmente transmissíveis é abster de contato sexual ou ter uma relação mutuamente monogâmica com um parceiro que tenha sido testado e sabe-se não estar infectado.

Preservativos masculinos de látex, quando usados corretamente e consistentemente, podem reduzir o risco da transmissão de clamídia.

Qualquer sintoma como secreções ou queimação ao urinar e feridas incomuns deve ser sinal para interromper relações sexuais e consultar um médico imediatamente. Se a pessoa está sendo tratada para clamídia (ou qualquer outra doença sexualmente transmissível) ela deve avisar todos os parceiros sexuais recentes para eles procurem um médico e tratamento apropriado. (De copacabanarunners.net/clamidia.html).

Onde tratar de graça e de forma segura

CEDAP - Centro Estadual Especializado Diagnóstico Assistência e Pesquisa
Rua Comendador José Alves Ferreira, 240 – Garcia – CEP: 40.100-160.
Tels: (71) 3116-8888 / 3116-8889. Fax: 3116-6008
Salvador – Bahia.

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia