O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 
Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

  

CULTURAL - Leitura

Manual Prático dos Direitos de Homossexuais e Transexuais

O direito de homossexuais e transexuais é um tema que se encontra na esfera do Direito de Família. A cada dia, um número maior de juízes passa a aceitar esta proposição, com base em um panorama de maior liberdade social.
Sylvia Mendonça do Amaral acompanha esta evolução e dedica-se a estudar o tema, sintetizando sua experiência neste livro. O texto é redigido de forma simples, destinado aos leigos em Direito, sendo útil ao estudante que busca seus conhecimentos.
A autoria é advogada formada pela faculdade de Direito de São Bernardo do Campo em 1986, atuando na área de Direito de Civil, contencioso e consultivo. Especializada em Direito de Família pela PUC/MG. Sócia efetiva do Instituto Brasileiro de Direito da Família. Sócia do escritório Correia da Silva e Mendonça do Amaral Advogados. Editora Edições Inteligentes, São Paulo, 111 páginas, contatos com a autora podem ser feitos pelo e-mail sylvia@amaral.com.br.

 

Vange Leonel lança "Balada para as meninas perdidas”

Novo livro da autora retrata a cena clubber de jovens homossexuais modernas numa grande metrópole, com toques de filosofia, humor, romance e música eletrônica.

Já está nas livrarias “Balada para as meninas perdidas” (R$ 26,90), de Vange Leonel, lançado em novembro pelas Edições GLS. Com toques de filosofia, humor, romance, sexo entre garotas, música eletrônica, mistério e fantasia, o novo livro da autora é uma obra de ficção e retrata a cena clubber de jovens homossexuais modernas numa grande metrópole.

“Balada ...” conta a história de duas grandes amigas, Lelê e Belzinha, que já foram namoradas e se divertem saindo todas as noites para as baladas da cidade à procura de sexo e aventuras amorosas. Uma terceira personagem, enigmática, aparece para agitar ainda mais a vida das duas amigas. Esta personagem misteriosa volta para a balada aos 40 anos, para tentar resgatar a própria juventude, situação inspirada levemente na fábula de Peter Pan.

As personagens transitam no universo da música eletrônica e a história é pontuada por citações de bandas e cantores Vange utiliza um pouco de seu background como cantora. O livro traz, inclusive, uma trilha sonora para balada, sugerida pela jornalista Cilmara Bedaque, que vai de Dusty Springfield e Julie London, passando por Bikini Kill e Luscious Jackson até Peaches, Slumber Party, Tracy & The Plastics e Yeah Yeah Yeahs.

Em “Balada ...”, são retratadas lésbicas de todos os tipos e cores. "Sempre senti falta, nos livros que lia quando adolescente, de personagens homossexuais que não fossem estereotipadas", diz Vange. "Após anos convivendo com garotas de toda espécie, freqüentando clubes e boates, quis fazer uma ficção sobre a noite lésbica, com muito humor e algum lirismo. Há um pouco de aventura, ciúme, brigas, intrigas e, naturalmente, sexo!". De fato, esse é um diferencial que chama a atenção no livro de Vange: ela é generosa ao narrar detalhes sobre transas entre garotas. "Sempre senti falta de descrições pormenorizadas e verossímeis de sexo lésbico nos livros", conta.

A autora
Vange Leonel nasceu na cidade de São Paulo, no dia 4 de maio de 1963. Como cantora e compositora, lançou três discos: Nau (CBS Discos, 1987), Vange (Sony Music, 1991) e Vermelho (Medusa Records, 1995). Alcançou os primeiros lugares nas paradas de sucesso em todo o Brasil com a música "Noite Preta" (em parceria com a jornalista Cilmara Bedaque), tema de abertura da novela Vamp, da Rede Globo.

Em 1992, recebeu o prêmio Sharp como cantora revelação no gênero pop-rock e, ao mesmo tempo, assumiu publicamente sua homossexualidade.
A partir de 1997, começou a escrever crônicas destinadas a lésbicas na revista SuiGeneris e no site do Mix Brasil (coluna Bolacha Ilustrada, dentro do e-zine CIO). Em 2000, estreou como autora teatral, com a peça As sereias da Rive Gauche. Em 2001, lançou o livro Grrrils Garotas Iradas (Edições GLS), uma compilação de suas crônicas na SuiGeneris. Desde 2001, assina, a cada quinze dias, a coluna GLS na Revista da Folha, encarte dominical do jornal Folha de S. Paulo. Em 2002, lançou o livro As Sereias da Rive Gauche (Editora Brasiliense), com o texto completo da peça homônima, e recebeu um prêmio pelo conjunto da obra, oferecido pela Associação da Parada do Orgulho GLBT.

Mais informações pelos e-mails lulan@lufernandes.com.br ou ivanicardoso@lufernandes.com.br, ou pelo tel. 0(XX)11-3814-4600


Homossexualidade: do preconceito aos padrões de consumo

O resultado de um estudo completo da atual situação dos homossexuais masculinos brasileiros especificamente dos gays moradores da Zona Sul carioca está em “Homossexualidade: do preconceito aos padrões de consumo”, livro da psicóloga Adriana Nunan, lançado em outubro pela Editora Caravansarai. O título é a adaptação da tese de mestrado em Psicologia Clínica de Adriana, defendida em dezembro de 2001 na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).
Embora a homossexualidade seja cada vez mais discutida na sociedade brasileira, ainda são escassos os trabalhos acadêmicos sobre o assunto, seja na área da Sociologia, da Antropologia ou da Psicologia, por exemplo. Essa carência foi um dos motivos que levou a psicóloga a escolher o tema para sua tese de mestrado.
Rio de janeiro, RJ, 2003, 360 páginas, R$ 38.

 

Livro denuncia violência contra homossexuais

Exatos 126 gays, travestis e lésbicas foram assassinados no Brasil em 2002. O Estado da Bahia foi, pela primeira vez, o campeão, com 20 mortes! A maior parte dos homicídios foi cometida com requintes de crueldade:Espancamento, tortura, muitas facadas e diversas declarações dos assassinos que confirmam sua condição homofóbica. “Matei porque odeio gay”, foi a justificativa dada por um jovem criminoso para estrangular e esfaquear um homossexual em Salvador. A cada três dias, um homossexual brasileiro barbaramente assassinado, vítima da homofobia. A frase é também título do novo trabalho do antropólogo Luiz Mott e do presidente do Grupo Gay da Bahia, Marcelo Cerqueira, onde eles reconstroem o perfil das vítimas e dos assassinos.
De acordo com documentação divulgada pelo Grupo Gay da Bahia, no Brasil, entre 1980-2002, foram assassinados 2.218 homossexuais, o que faz de nosso país o campeão mundial de crimes homofóbicos: em média, matam-se 35 homossexuais por ano no México, 25 nos Estados Unidos, enquanto no Brasil o número passa de 100. Os gays representam 67%, as travestis 30% e as lésbicas 3% das vítimas.
A Bahia, pela primeira vez em duas décadas, liderou esta lista macabra: 20 homossexuais assassinados (para uma população de 11 milhões), seguida por São Paulo, com 19 vítimas (e o dobro da população). Pernambuco, considerado o estado mais violento contra os homossexuais nos últimos cinco anos, baixou para terceiro lugar, com 16 mortes. Segundo o coordenador da pesquisa, Luiz Mott, “as regiões Norte e Nordeste são as mais violentas: aí foram cometidos 52% dos crimes, embora ambas representem 34% de nossa população. O Sudeste é a região que apresentou o menor número de assassinatos, pois, contando com 42% da população nacional, registrou 23% dos crimes.”

Na flor da idade - O perfil das vítimas se mantém bastante fixo nos últimos anos: predominam homens na flor da idade, 69% entre 18-39 anos; 70% são afro-descendentes (48,5% pardos e 21,5% pretos). Quanto à profissão, sobressaem-se cabeleireiros, professores, travestis profissionais do sexo, empresários, cozinheiros, três pais de santo, dois sacerdotes, dois jornalistas. Quanto à causa mortis, predomina o uso de armas de fogo, seguida por facas e instrumentos perfuro-cortantes, pauladas, estrangulamento, asfixia, degolamento, pedrada. Uma das vítimas levou 42 facadas.
O padrão dominante é o assassinato à facada dentro da casa da vítima, enquanto as travestis, em sua maioria profissionais do sexo, morrem de tiros, na rua. Domingo é o dia em que mais ocorrem estes crimes: segundo Marcelo Cerqueira, “como muitos gays são rejeitados por suas famílias, domingo é o dia de maior solidão, daí muitos procurarem relações sexuais no fim de semana para compensar carência afetiva devido à discriminação familiar”. Cerca de 80% das mortes ocorreram entre sete da noite e as seis da manha.
Ódio - Como mais de 95% dos homossexuais vivem enrustidos, “dentro do armário”, a maioria das relações homoeróticas são mantidas secretamente, o que dificulta a identificação dos assassinos: 40% dos matadores de homossexuais são jovens com menos de 21 anos,
predominando os garotos de programa, estudantes, desempregados. Em 90% dos casos, o crime é motivado pela homofobia, ou seja: o ódio contra a vítima foi a causa principal ou o agravante da morte. Para Mott, “a homofobia está presente mesmo nos latrocínios de gays e assassinatos de travestis registrados na zona de prostituição, pois a vulnerabilidade social dos homossexuais facilita a perpetração destes homicídios. Basta ver que as prostitutas, que compartilham os mesmos espaços com as travestis, rarissimamente são assassinadas!”.
Três são as soluções indicadas pelo Grupo Gay da Bahia para diminuir e erradicar em médio prazo os crimes contra homossexuais: cautela máxima por parte dos gays e travestis, evitando relações com desconhecidos ou em situações de risco; maior severidade da polícia e da justiça em investigar e punir exemplarmente os criminosos; instituir cursos de educação sexual em todos os níveis escolares, estimulando a tolerância e a aceitação de que direitos sexuais também são direitos humanos. No site do GGB (www.ggb.org.br), o texto "Gay vivo não dorme com o inimigo" ensina dez dicas de como não ser assassinado.
O livro MATEI PORQUE ODEIO GAY, com 256 páginas e fotos de algumas vítimas e assassinos, pode ser adquirido pelo reembolso postal junto à Editora Grupo Gay da Bahia.

Record lança biografia marginal de Jean Genet

GENET: UMA BIOGRAFIA é o relato definitivo da vida marginal dos internatos à deportação, passando pelas cadeias de um dos mais polêmicos escritores franceses do século XX. Edmund White apresenta uma biografia meticulosa, fruto de um trabalho de sete anos de pesquisa, onde apresenta a obra de Genet de uma forma concisa e sem preconceitos. "Genet foi amigo das principais mentes de seu tempo: o filósofos Sartre, Derrida e Foucault; os escritores Cocteau e Jouhandeau, Juan Goytisolo e Moravia; os compositores Stravisnky e Boulez; o diretor de teatro Roger Blin; os pintores Leonor Fini e Christian Bérad, o escultor Giacommetti; os líderes políticos Pompidou e Mitterand", diz White.
Ladrão, prostituído, prisioneiro, mendigo, bastardo, Jean Genet é um dos monstros sagrados da literatura francesa. "Apenas um punhado de escritores do século XX, como Kafka e Proust, tem uma voz e um estilo tão importantes, tão autorizados, tão irrevogáveis", escreveu Susan Sontag no lançamento de romances do autor nos Estados Unidos, em 1963.
Genet passou a juventude em reformatórios e prisões onde afirmou sua homossexualidade. Enquanto compunha romances ou peças consagradas como “O balcão”, “Os negros” e “Os biombos”, criou uma chocante mitologia pessoal marcada por escândalos, roubos e rixas. Colecionou uma sucessão de amantes, que o acompanharam pelo basfond parisiense e conquistou o grand monde intelectual europeu. Seus primeiros trabalhos, “Nossa Senhora das Flores” e “O milagre da Rosa”, chamaram a atenção de Jean Cocteau, mas foi através da influência de Jean Paul Sartre que ficou famoso.

Depois do suicídio de um de seus amantes, do amigo e tradutor Bernard Frechtman e de uma tentativa de suicídio, Genet atravessou a década de 1960 colhendo frutos de sucesso de seus romances, peças e roteiros. Mas, a partir dos anos 70 até a sua morte, em 1986, engajou-se na defesa de trabalhadores imigrantes na França, assumiu a causa dos palestinos e envolveu-se com líderes de movimentos norte-americanos como Panteras Negras e beatnicks. "Eu não tenho leitores, e sim milhares de voyeurs que me espiam de uma janela que dá para o palco da minha vida pessoal", declarou certa vez o escritor.

Edmund White nasceu em Cincinatti, Ohio, em 1940. Professor da Universidade de Princeton, publicou, dentre outras obras, “Forgetting Elena”, “Nocturner for the King of Naples”, “States of Desire: Travels in Gay América”, “O jovem americano”, “O lindo quarto está vazio”, “O homem casado”, “Flaneur um passeio pelos paradoxos de Paris”.
Editora Record, Rio de Janeiro, 784 páginas, preço R$ 85, biografia. (Da Assessoria)

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia