O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

 

Conselho Federal de Medicina aprova resolução para doentes terminais; ativista, igreja e médico aprovam medida

 
O texto diz que o médico deve se preocupar com o paciente, garantido-lhe os cuidados necessários para aliviar sintomas que levam ao sofrimento. A continuação do tratamento só deve ser mantida se for vontade explícita do próprio doente ou de seus familiares.

“Acompanhei o sofrimento de vários companheiros e acho a medida positiva. A ética médica não permitia isso e obrigava a sobrevivência vegetal. Essa medida evita a falsa ilusão de ressucitar pacientes”, diz o ativista José Aráujo Lima, presidente Associação François Xavier Bagnoud (AFXB) do Brasil.

“Isso permite também que a iniciativa privada não use mais esse recurso para ganhar dinheiro. É uma postura humana”, completa Lima.

No entanto, os médicos sempre tiveram um dilema sobre o que fazer com pacientes em estado terminal e, por isso, tem sido regra manter o paciente vivo o maior tempo possível, mesmo afastado da família e ligado a aparelhos. Essa é a opinião do médico infectologista, Dr. Robinson Camargo, coordenador do SAE Sapopemba.

“A medida é muito boa, mas as famílias podem acusar que matamos pacientes, essa resolução não tem respaldo na atual legislação brasileira. Ficamos sem saber o que fazer”, afirma.

Antes de colocar o texto em consulta pública, o CFM ouviu sugestões de um teólogo e representantes de áreas de cuidados paliativos, geriatria, bioética, entre outros.

O Padre Julio Munaro, representante da Cúria Metropolitana de São Paulo, diz que a medida é de “bom senso”. “Temos que aceitar a morte como algo natural, nem sempre os recursos médicos podem prolongar a vida. Nem a Igreja e a teologia interferem neste tipo de caso. O único cuidado que os profissionais de saúde devem ter é com a família e saber como conscientizá-las”.

A prática é chamada de ortotanásia e a diferença com a eutanásia é que esta antecipa uma morte inevitável e é induzida. No caso da ortotanásia, o médico desliga os aparelhos e a morte ocorre naturalmente, sem indução.

Rodrigo Vasconcellos - Agência de Notícias da Aids, 10 d enovembro de 2006.

 

 

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia