O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

14º festival Mix Brasil de cinema exibirá um dos melhores filmes da década sobre aids, afirma Suzy Capó, diretora da mostra; sempre procuramos filmes que tragam uma nova visão sobre a temática da aids, explica andré fischer, co-diretor do festival 

 

Cena do filme “Boy Culture”, sessão que abriu o Mix Brasil 2006

A maioria dos presentes é formada por homens (a maior parte homossexuais); em menor número, algumas “drags” e pouquíssimas mulheres dançam e conversam no saguão do Espaço Unibanco, entres as quais Suzy Capó, diretora do 14º Festival Mix Brasil de Cinema e Vídeo da Diversidade Sexual, que começou ontem (10/11), quinta-feira, em São Paulo. A cena descrita na frase anterior aconteceu após a exibição de “Boy Culture” (87 min. – EUA, 2006), sessão que deu início ao festival.

Antes da exibição do filme, André Fischer, co-diretor da mostra, explicou como é o processo de seleção das obras, inclusive daquelas que tratam de temas relacionados a AIDS. “A gente sempre busca algum filme com essa temática, filmes que tragam alguma nova visão sobre o tema [HIV/AIDS]”, explica. Segundo Fischer, as obras são selecionadas a partir de “inscrições” e também nos “principais festivais de filmes gays” pelo mundo afora.

Com quase uma hora de atraso, tem início a sessão de abertura com a exibição de “Boy Culture”. Dirigido por Q. Allan Brocka, o filme narra a história de um garoto de programa (ou michê) que se considera “virgem”, por mais contraditório que isso possa parecer. Tudo porque não faz sexo por amor há muitos anos e se preserva para quando encontrar o parceiro ideal. O jovem, conhecido apenas como “X”, ama um amigo com o qual divide apartamento. A obra, que recebeu muitos aplausos no final da sessão, trata com humor dos clichês de qualquer obra cinematográfica, seja ela voltada ao público gay ou não.

Após a sessão, o público (que lotou as três salas de cinema do lugar) dançou ao som de música tecno, entorpecidos por cerveja e caipirinha (oferecidas pela organização). Após algumas doses, o cineasta estadunidense Q. Allan Brocka, convidado do festival para apresentar a obra, pedia dicas de como paquerar os brasileiros.

“Como nesse ano o foco é a Argentina, optamos por esse filme. Um dos melhores filmes da década [sobre AIDS]”, garante Suzy Capó, diretora da mostra, a respeito de “Um Ano Sem Amor” (95 min. – Argentina, 2005), um dos destaques do festival desse ano. A obra, dirigida por Anahi Berneri, conta o dia-a-dia de um professor de francês (HIV positivo) que, na perspectiva de ter poucos meses de vida, decide experimentar as mais variadas possibilidades sexuais e viver de maneira desenfreada. Infelizmente, a película só vai poder ser vista pelos paulistas.

Um Ano Sem Amor / Un Año Sin Amor /
A Year Without Love
(95 min. – Argentina, 2005)

Onde e quando assistir:

São Paulo

Espaço Unibanco 2 – 13 de Novembro
(segunda-feira) / 21h00
Espaço Unibanco 1 – 14 de Novembro
(terça-feira) / 22h00

Léo Nogueira – Agência de Notícias da Aids – 10 de novembro de 2006 -

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia