O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

 

Capturado assassino do irmão de humorista da Globo
14/11/2007
Grupo Gay da Bahia

Foto: Reprodução

Sidclay Costa Silva, 23, anos autor do crime contra Mauro José Mascarenhas.

NOTA DO GGB - A prisão desse criminoso deverá ser exemplo da ação pública em defesa dos gays na Bahia. Ele deverá ser julgado em todo rigor da Lei e voltar para a cadeia de onde não deveria ter saído. Um individuo desse, um animal, não merece esta no convívio social e sim atrás das grades porque é uma ameaça, uma bomba ambulante, um ser irracional disposto porque não é civilizado.

A sua reclusão e o julgamento deverá ser entendida como um exemplo, um aviso para que outros criminosos não cometam esse tipo de crime contra homossexual ou qualquer outra pessoa humana.
O GGB vem a público apresentar suas congratulações a equipe da Delegada que de forma humana e solidária colocou toda a sua energia na captura do assassino em Sergipe, parabéns.

O GGB conclama todos os peritos, técnicos que sigam o exemplo dessa equipe formidável e ajudem e façam com que a justiça se cumpra. (Marcelo Cerqueira, presidente do GGB)



Ao ficar frente a frente com o homicida, ator Cláudio Manoel demostrou toda a sua revolta

Marcelo Brandão

“Do fundo do meu coração, espero que você apodreça na prisão”, desabafou o humorista Cláudio Manoel, o “seu Creysson” do Casseta e Planeta, ao ficar frente a frente com o assassino de seu irmão, o ex-detento Sidclay Costa Silva, 23, preso ontem de madrugada, em Sergipe, por agentes da 7ª Delegacia (Rio Vermelho). Emocionado, fez um apelo para que as pessoas tomem cuidado ao se relacionar, independentemente de sua orientação sexual.

Mauro José Mascarenhas, gerente de documentação e pesquisa do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (Irdeb), foi encontrado morto a facadas no banheiro de seu apartamento, no bairro da Federação, dia 5 deste mês, horas depois de acertar um “programa” por R$50 com Sidclay, que mal acabara de conhecer em um restaurante do Porto da Barra. O humorista admitiu que seu irmão foi imprudente ao levar um desconhecido para sua casa, mas advertiu que “não podemos responsabilizar a vítima por um crime monstruoso”.

O ator falou sobre o sofrimento da família, principalmente de sua mãe, que na segunda-feira completou 81 anos. “Fiquei com medo dela não agüentar a tristeza. Já é difícil para mim, imagine para ela”, desabafou. Mesmo emocionalmente abalado, atendeu pessoas que foram a seu encontro na delegacia e fez questão de abraçar, um a um, todos os agentes que se empenharam para a captura do assassino, destacando o trabalho do comissário Paulo Portela e da delegada Maria Dahil.

Prisão – A polícia conseguiu localizar o homicida em Aracaju, na madrugada de ontem, depois de rastrear as ligações do telefone da vítima com autorização judicial, tendo flagrado uma ligação para o celular de um amigo do acusado. Segunda-feira à tarde, policiais do Serviço de Investigação da 7ª DP localizaram o proprietário do telefone, no município de Jaguaripe, distante 240km de Salvador.

Essa pessoa, que teve o nome preservado, contou para os agentes que apenas emprestou seu CPF para Sidclay comprar um chip de celular. Ele disse ainda que não sabia o paradeiro do ex-detento, mas levou a equipe ao encontro de um cunhado dele, o vendedor ambulante Paulo César Almeida, que vende milho verde no bairro da Piedade.
Paulo César, que já tinha sido roubado pelo ex-detento anteriormente, levou os policiais até a casa de sua mãe, no Bairro Industrial, em Aracaju, onde Sidclay foi preso, por volta das 6h de ontem. Em seguida, os agentes retornaram a Salvador, conduzindo o assassino para a 7ª DP, depois de cerca de 24 horas consecutivas de diligência policial e mais de 600km percorridos.

Latrocínio - Ao prestar depoimento, o homicida contou que manteve relação sexual com Mauro José e que o matou porque ele se negou a pagar. Acrescentou que se desentenderam por ter se recusado a atuar como passivo. Mas a delegada Maria Dahil Sá Barreto, titular da 7ª Delegacia (Rio Vermelho), acredita em latrocínio (roubo seguido de morte), por ter o acusado roubado pertences da vítima. Com antecedentes criminais por furto, tendo passado três meses no Presídio de Salvador, Sidclay disse ter conhecido a vítima horas antes ao crime, num bar situado no Porto da Barra.

Revelou que conheceu Mauro José no Bar Macau, no Porto da Barra, onde acertaram o “programa”, seguindo para seu apartamento, no Condomínio Vereda do Bosque, localizado na Rua Pedro Gama, fim de linha da Federação. O ex-detento disse que beberam duas garrafas de vodca e depois fizeram sexo. Mas acabaram se desentendendo depois.

Acrescentou que Mauro José pegou a faca de cozinha para atacá-lo e os dois entraram em luta corporal, mas a polícia não acredita nesta versão, pois não vê sentido em a vítima ter tentado matá-lo dentro do próprio apartamento. Além disso, o fato de ele não apresentar marcas no corpo, enquanto Mauro sofreu várias facadas e apresentava hematomas, enfraquece sua história. Depois de matar Mauro José, Sidclay roubou o celular e o aparelho de DVD dele, revistou guarda-roupas e móveis à procura de valores e fugiu. Ele alegou que jogou o DVD no Dique do Tororó, mas a polícia acredita que tenha vendido ou passado para algum comparsa. No dia seguinte, retornou a Sergipe.


***
GGB vê ‘estado de calamidade pública’
Somente neste ano, 14 homossexuais foram assassinados no estado, a maior parte em Salvador. A média anual fica entre 20 e 25 mortes, todas de natureza violenta. Os dados são do Grupo Gay da Bahia (GGB) e, segundo o presidente da entidade, professor Marcelo Cerqueira, 36 anos, configuram “um estado de calamidade pública”. Afinal, para ele, os crimes que têm gays como vítimas são motivados unicamente pelo preconceito e, independentemente da motivação apresentada, são impulsionados pelo ódio e pela discriminação. 

Nem mesmo o alegado comportamento de risco atribuído ao homossexual masculino – quase sempre assassinados por parceiros eventuais – pode explicar o quadro, enfatiza Cerqueira. “Quantos heterossexuais levam pessoas que acabaram de conhecer para dentro de casa?”, questiona. “Todos nós conhecemos homens e mulheres que saem com prostitutos”, argumenta, “mas, quantos deles são assassinados barbaramente como acontece com o gay?”, desafia.

Confessando seu desalento, ante a impunidade associada a esses crimes, ele sequer diz ter comemorado a prisão, ontem, do ex-detento Sidclay Costa Silva, 23, autor confesso do assassinato de Mauro José dos Santos, 46, gerente do Irdeb. Para ele, a elucidação do caso foi meramente casual e não resultado de uma investigação efetiva.

Como forma de reverter a impunidade, gerada por inquéritos policiais inconsistentes e processos recheado de falhas (inclusive no que se refere a provas periciais), Cerqueira propõe a criação de um foro especial para conduzir casos dessa natureza. Na sua opinião, órgãos como a Secretaria Municipal de Reparação Social e a Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos poderiam instituir núcleos voltados para a questão.

Afinal, observa, “a intervenção do estado, como instituição, além de reduzir a impunidade poderia contribuir para mudar o olhar da sociedade para com o homossexual”. Em outras palavras, conclui Cerqueira, essa seria uma forma de dar ao gay assassinado o status de vítima e não de co-autor do próprio crime, como ocorre hoje. – ( reprodução da matéria publicada no Jornal Correio da Bahia em 14/11/07- www.correiodabahia.com.br )

 

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia