O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Juarez Paraiso e Lúcia Monte Alegre expoem em Festival inusitado na Cañizares.

Ciro Brigham - Jornal Correio da Bahia, 28/08/05 - Liberdade de pensar, falar, discutir e produzir conhecimento e reflexão sobre sexo. Liberdade de imaginar o erotismo como apenas mais uma válvula para a expressão do sentimento humano. Associada à construção de uma cultura de paz, tolerância e aceitação, a segunda edição do Festival da Livre Expressão Sexual reúne manifestações culturais orientadas a partir dos direitos humanos, reprodutivos e sexuais. A abertura foi ontem à noite, com a estréia da exposição de artes visuais Arte e Erotismo, na galeria Cañizares, da Escola de Belas Artes da Ufba.

Até o dia 20 de outubro, a dignidade das minorias sexuais, as questões de gênero e a promoção da livre expressão sexual estarão no centro das discussões de artistas, intelectuais, ativistas e militantes. São exposições de artes e fotográfica, seminários, mostra de filmes e vídeos, intervenções urbanas, lançamento de livros, performances e improvisações. Tudo orientado para contemplar as mais diversas formas de ver e reconhecer o mundo, através do sexo.

Na exposição Arte e Erotismo, onde 19 artistas plásticos apresentam suas obras, o visitante tem uma pequena amostra de como o erótico pode ser incluído num contexto artístico não necessariamente pornográfico. É a primeira vez que Salvador sedia uma exposição deste tipo, que não fez parte da edição anterior do festival, organizada em 2003.

"Salvador é uma cidade aberta a manifestações desta natureza. Ao mesmo tempo, o lado conservador é muito forte, como também a falta de iniciativas que produzam esclarecimentos sobre as questões sexuais", comenta o fotógrafo e artista plástico Edgar Oliva. Isso acontece, segundo Oliva, em todo o país. "O Brasil explora muito pouco a relação entre sexo e arte. Em Viena (Áustria), por exemplo, está acontecendo uma exposição sobre nu onde os visitantes devem ficar nus", comenta.

Arte e erotismo - A gaúcha Lanussi Pasquali levou para a exposição um objeto em tecido com uma grande cavidade longitudinal, que fica suspenso e é a reprodução da genitália feminina. As cabaças em madeira com resina, de Juarez Paraíso, dialogam sobre sexualidade. Tonico Portela armou na parede um zodíaco de preservativos com estampas onde para cada signo, há uma posição para o ato sexual. Nome mais sugestivo não há: Posições astrais.

Já as montagens fotográficas de Edgar Oliva partem de anúncios dos classificados de garotas de programa em jornais e são um alerta contra a violência sexual. Este é um tema que promete destaque durante as atividades do festival. No dia 30 de agosto, por exemplo, uma homenagem ao ex-dono do bar Quixabeira, Joel Lobo, morto em dezembro de 2003, fará parte da programação do seminário Violência e Direitos Humanos. "Vamos tirar um documento exigindo uma resposta para vários casos de violência produzida pela intolerância sexual", informa a produtora Janete Catarino.

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia