O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 
Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

  

Racismo dentro da comunidade homossexual ainda é grande

Um bate bola com Marcelo Cerqueira. Militante, homossexual e negro ele afirma que brancos e negros se relacionam sexualmente, por amor, ou mesmo por interesse. E mais, o militante diz que o preconceito na maioria das vezes é contra o feio, mas que o povo gay em geral é mais aberto para sexo, confira entrevista concedida a revista GOLD.

Marcelo Cerqueira e Luiz Mott, convivem a cerca de 19 anos juntos.

1 - EXISTE, NA SUA OPINIÃO, ALGUM PADRÃO DE PREFERÊNCIA SEXUAL OU COMPORTAMENTO, DENTRO DO UNIVERSO GAY MASCULINO RASILEIRO, QUE COSTUME MARGINALIZAR OS NEGROS? OS GAYS BRASILEIROS AINDA SEGUEM AQUELE PADRÃO MEIO NEOCLÁSSICO DE BELEZA, DE BARBIES BRANCAS E DEPILADAS?

Na minha opinião existe uma variação muito grande por tipos e preferências no universo gay. Na observação empírica, embora possa ocasionalmente dizer que tem uma preferência fixa em determinado tipo na prática a depender do momento e da hora o contato sexual acontece com qualquer um, inclusive mutilados. Esse modelo clássico grego é minoritário e mesmo quem pratica com raça diferente pode abrigar um certo racismo teórico. Socialmente esculhamba, mas depois não resistem. Faz ou sublima muito, vive mais da festa do que do banquete. No geral os gays são mais abertos para realizar suas fantasias.

2 - SE OS NEGROS SÃO DE CERTA FORMA "REJEITADOS" PELO ESTEREÓTIPO DE BELEZA GAY, E PORTANTO, RELEGADOS A UM SEGUNDO PLANO COMO POSSÍVEIS PARCEIROS, VOCÊ CONSIDERA QUE CULTIVAMOS UMA CERTA HERANÇA (RANÇO) EUROPÉIA DE MODELO SEXUAL? OU QUAIS SERIAM OS POSSÍVEIS MOTIVOS DESSA MARGINALIZAÇÃO?

Os negros não se encaixam nessa ideal de beleza criado por alguns motivos. O que o se procura é o gênero masculino seja que cor tenha. No caso da herança européia e quando há opção o branco predomina. Porém, de outro lado à imagem do negro intrinsecamente relacionada ao poder da masculinidade e isso é muito forte. Os negros são de classes sociais mais baixas, portanto teoricamente são muito mais machos socialmente e na cama que os brancos. É uma grande confusão que se faz na cabeça deixando o signo substitui a realidade. O que o outro gay macho não gosta é da bicha negra “fresca” e ainda passiva. Mas também não gosta da bicha branca na mesma situação. A discriminação mesmo é com a bicha efeminada. Nas salas de bate papo a preferência é por não efeminados.

3 - EM QUE CIRCUNSTÂNCIAS ESSA "REJEIÇÃO" COSTUMA ACONTECER?
Quando há extrema frescura ou quando há uma pressão social muito forte, família e amigos racistas. Sexo e afeição são dois sentimentos diferentes. O orgasmo é clandestino, exigente, exótico, é uma experiência nova, tomou banho lavou tá novo e ninguém toma banho de afeição que é mais lenta e permite o raciocínio. Já quando você pensa em um relacionamento mais duradouro, ai vem o racismo e o preconceito.

4 - EXISTE TAMBÉM DENTRO DO UNIVERSO GAY AQUELE ANTIGO MITO, EMOLDURADO PELO MAIS SEXISTA DOS PRECONCEITOS, DE QUE O NEGRO SERIA UM "EXCELENTE AMANTE", TEM "PAU GRANDE", ETC, ETC, ETC? QUE OUTROS MITOS, POSITIVOS OU NEGATIVOS, SÃO ASSOCIADOS AO HOMEM NEGRO GAY NO BRASIL?

Este mito vem de África passando pelo Brasil colonial e chega aos nossos dias, é exótico, erótico não é rel. Parece que na experiência prática os negros tem pau grande mesmo de dez homens, sete são bem dotados. Como também pelo outro lado tem o glúteo maior, canela mais fina. Não é 100% é claro, mas o mito faz o marketing, atiça a curiosidade, o tesão e a vontade. É um grande trunfo que temos entre as pernas e por isso nos habilita a entrar no mercado da carne em uma posição superior. Isso é maravilhoso em uma cultura machista e competitiva que sinaliza o pênis como instrumento de poder concreto. Nessa cultura quem tem pênis tem tudo e quem tem pênis grande teoricamente tem mais poder sobre as coisas reais.

5 - VOCÊ PRÓPRIO, OU AMIGOS NEGROS, JÁ SOFRERAM NA PELE O FATO DE TEREM SIDO PRETERIDOS COMO AMANTES OU PARCEIROS POR SEREM NEGROS? PODE CITAR ALGUNS CASOS, DAR UM DEPOIMENTO? COMO VOCÊ LIDA COM ISSO?

Eu sou casado com um homem branco filho de italiano com mãe portuguesa. De todo o meu rosário de amantes tive poucos negros. Não significa que não estou disponível. Sempre fui assediado pelos homens brancos, gosto disso e acho um bom instrumento de poder fantástico.

6 - QUE OUTROS TIPOS DE HOMENS GAYS, ALÉM DOS NEGROS, COSTUMAM SER PRETERIDOS, NA SUA OPINIÃO? VOCÊ TEM ALGUM PRECONCEITO NA HORA DE ESCOLHER PARCEIROS?

No geral os gays são muito mais abertos a novas e exóticas experiências sexuais que os heterossexuais. Acho que existe um preconceito contra os extremamente feios seja qual raça for. Talvez quem sofra mais o estigma seja o Japonês pelo mito do pênis pequeno, mas não deixa de despertar a curiosidade, a pele lisa, os cabelos pretos, os olhos puxadinho. Eu mesmo, não posso negar tenho curiosidade de ir para a cama com um japonês. Aqui na Bahia é difícil, mas acredito que eles apresentam dificuldades sexuais com os negros.


7 - QUAL É, NO SEU PONTO DE VISTA, O LIMITE ENTRE A PREFERÊNCIA SEXUAL DO HOMEM GAY E O PRECONCEITO?


Um elemento definidor desse preconceito é o culto ao corpo. Ouço meus amigos musculosos dizerem que não transam com quem não seja malhado. Teoricamente porque manter um corpo definido e trabalhado custa caro. Esse caras gastam tanto dinheiro e tempo com o corpo que este torna-se um bem muito precioso e para dividi-lo somente com outro igual ou melhor, eu ouço tanto isso.


8 - COMO VOCÊ VÊ ATUALMENTE A QUESTÃO DOS NEGROS GAYS, DENTRO DO UNIVERSO CULTURAL EM QUE ESTÃO INSERIDOS? HOUVE AVANÇOS? DE QUE ORDEM?

Acho que a homossexualidade ainda é um grande tabu para os negros. Isso por causa da fama de masculinidade que herdamos. Aqui em Salvador, eu mesmo já ouvi a expressão “além de preto viado” e “tá sujando a raça negão”. Mas isso é no mundo inteiro, eu estava em Nova Iorque com o meu companheiro e os negros de lá ficavam putos porque andávamos abraçados ou de mão dadas, quase levamos uma carreira de um grupo de jovens negros.

9 - VOCÊ APONTARIA CAMINHOS PARA UMA POSSÍVEL SUPERAÇÃO DO PRECONCEITO RELATIVO AOS HOMENS NEGROS DENTRO DO UNIVERSO GAY BRASILEIRO?

A origem do preconceito no fundo é uma mentalidade burguesa que muitos gays ainda conserva no discurso e isso estimula a discriminação. Há de fato um racismo por parte dos gays brancos em relação aos “dudu” principalmente no Sul do Brasil, sobretudo para relacionamentos mais fixos e afetivos. Mas do outro lado também existe o racismo. Mudando a mentalidade muda a prática e este é um desafio para todos nós que formamos opinião e estamos no ativismo racial e contra a opressão sexual. O problema é de mentalidade, burguesa, classe média. Se mudar, muda-se a prática. Como mudar é difícil, eis um trabalho para as próximas gerações, mas misturadas.

10 - VOCÊ CONSIDERADA OS VEÍCULOS DEDICADOS AO PÚBLICO GAY PRECONCEITUOSOS DE UM MODO GERAL COM O NEGRO HOMOSSEXUAL?

As publicações em sua maioria são pensadas para os brancos porque vem muita coisa da América no Norte, francesa, nestes lugares o tipo é branco. São países brancos e muitas vezes racistas, às vezes colocam negros ou mestiços das suas antigas colônias, mas a preferência branca. Aqui no Brasil, editores de revistas voltadas para o público gay dizem que negros na capa não vende revistas. Então, mais um vez o problema da mudança de mentalidade aparece.

Marcelo Cerqueira, 34 anos, bacharel em História pela PUC de Salvador. Presidente do Grupo Gay da Bahia e coordenador do Grupo Quimbanda Dudu.

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia