O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda do GGB
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Municipios
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Representante do Candomblé e Grupo Gay da Bahia se unem contra apedrejamento de 18 gays nigerianos

Jedson Nobre

 

18 homossexuais serão executados por tiranos nigerianos aos olhos silenciosos de todo o mundo ocidental.

Presidente da Nigéria, Olusegun Obasanjo vai entrar para a história como tirano homofobico nigeriano.  
Da redação do site do Grupo Gay da Bahia (GGB)
 

SALVADOR, BA - 20/08/07 - “Silêncio é morte. E o silêncio dos brasileiros adeptos das religiões de matriz africana  à próxima condenação à morte de 18 homossexuais na Nigéria é uma omissão criminosa”, declara o antropólogo africanista Luiz Mott, Decano do Movimento Homossexual Brasileiro. “Lançamos um apelo a todos babalorixás e yalorixás da Bahia e do resto do Brasil para enviar um protesto coletivo ao Presidente da Nigéria, Olusegun Obasanjo, exigindo que respeite a Lei dos Orixás, que nunca condenaram o amor homossexual”. Está prevista para os próximos dias de agosto a proclamação da sentença de pena de morte por apedrejamento a 18 gays, detidos recentemente na Nigéria. Seu crime: ter participado, em roupas femininas, de uma cerimônia de casamento de dois  gays.

Os homossexuais encontram-se presos no Estado de Bauchi, ao noroeste do país. A sodomia é ilegal em toda a Nigéria, sobretudo em 12 estados onde a lei islâmica “sharia” foi implementada há sete anos, prevendo a pena de morte dos homossexuais e adúlteras. Para Marcelo Cerqueira, Coordenador do Grupo de Gays Negros Quimbanda Dudu, “todo mundo sabe que o Candomblé, Umbanda e demais religiões de matriz africana não consideram o amor homossexual como pecado ou coisa vergonhosa. Entre os Orixás há Logun Edé e Oxumaré que são metade do ano homem, metade mulher. Há mitos antigos que descrevem a relação homoerótica de Oxossi com Ossanha.

A antropóloga Ruth Landes, Nina Rodrigues, Peter Fry e outros estudiosos do candomblé citam importantes pais e mães de santo que eram “adé” e “aló”, termos yorubás, da Nigéria, para se referir a gays e lésbicas. Não adianta querer esconder o sol com a peneira pois como se diz na Bahia, do mesmo modo como não há axé sem as plantas, não há candomblé sem “adé” (homossexual).” Segundo o Babalorixá Bel do Oxum, do Terreiro Abassá d´Oxum, São Tomé de Paripe, em Salvador, “é uma barbaridade esta perseguição dos homossexuais, pois se são os próprios Deuses  do Panteão dos Orixás que escolhem os gays para se incorporar no Candomblé, isto prova que os errados são os que discriminam os homossexuais e não os gays. Oos Orixás devem estar tristes com a Nigéria!”

Já em março deste ano o Grupo Gay da Bahia e o Grupo Quimbanda Dudu protestaram em frente a Casa da Nigéria de Salvador, contra a criminalização da homossexualidade em discussão no Parlamento Nigeriano. O diretor da ONG Projeto Independente da  Nigéria, que defende os direitos dos homossexuais, Alimi Ademola, considerou que “essa lei vai violar seriamente os direitos das pessoas:  é uma lei perversa e não deveria ter sido apresentada.” As Nações Unidas advertiram aos parlamentares nigerianos que a criminalização da homossexualidade  promoveria um aumento no número de casos de aids no país.

A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros também se manifestou, enviando à Embaixada da Nigéria em Brasília ofício de  protesto. O Grupo Gay da Bahia enviou correspondência ao Presidente Lula conclamando que repita o gesto humanitário do Presidente FHC e do Presidente do Senegal, , Abdoulaye Wade, que em agosto de 2002, ofereceram asilo político para a viúva nigeriana Amina  Lawal, condenada pela justiça da Nigéria a ser apedrejada até a morte por ter tido uma filha fora do casamento. “Agora é a vez do Presidente Lula oferecer asilo aos 18 homossexuais, impedindo assim que sejam apedrejados. Esta será uma boa oportunidade para o Itamaraty demonstrar realmente, pela primeira vez, que defende os direitos humanos dos homossexuais e colocar em prática o Programa Governamental Brasil sem Homofobia.”

Para maiores informações:
Marcelo Cerqueira: (71)  9989.4748
Luiz Mott: (71) 3322 2552 - 3321 1848
Babalorixá Bel de Oxum (71) 3521.0992

 

 


 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia