O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Festa de respeito

VI Parada Gay da Bahia
Sexta Parada do Orgulho Gay colore o centro da capital com mensagem de luta por igualdade
Jony Torres - Correio da Bahia



Trio da Boate Tropical e Davi Aranha produções na VI Parada Gay da Bahia.



 

 

 

 

A festa foi uma algazarra e o recado direto: homofobia é igual a racismo. Com o dueto alegria e luta por igualdade, a Sexta Parada do Orgulho Gay da Bahia reuniu aproximadamente 500 mil pessoas, ontem à tarde, no trajeto Campo Grande/Castro Alves. Os gays, lésbicas, transsexuais, bissexuais, travestis e heterossexuais percorreram o tradicional circuito do Carnaval ao som de 11 trios elétricos, transformando o centro da capital baiana em um colorido arco-íris da diversidade.
O desfile começou às 15h, com a execução do Hino Nacional e breves discursos de políticos, artistas e lideranças do Grupo Gay da Bahia (GGB). Antes mesmo da primeira música ser ouvida pelos alto-falantes, o trecho entre o Teatro Castro Alves e a Casa D’Itália estava completamente tomado pela multidão que aplaudiu a entrega da faixa para a madrinha do evento, a cantora Mariene de Castro e da princesa fadinha, a dançarina Léokret.
Apesar do clima de euforia e das brincadeiras, o tema da festa este ano escancarou a semelhança entre o crime de racismo e a discriminação contra a orientação sexual, estranhamente não reconhecida como tal pela Constituição Federal de 1988. “Nós vivemos em Salvador estes crimes todos os dias e por isto, nada melhor do que unir a luta pela igualdade da maioria negra da cidade, com a minoria gay”, afirmou Marcelo Cerqueira, presidente do GGB.
O discurso do respeito à opção sexual de cada um encontrou sua maior expressão no mar de diferenças de tipos que participaram da parada. Entre as tradicionais plumas, purpurinas e cílios postiços dos diversos travestidos, famílias inteiras se divertiam sem dar a menor bola para o preconceito. “Cada um tem seu corpo e pode usar ele da maneira como bem entender”, fez questão de dizer a aposentada Miranda Lopes, 66 anos, que estava acompanhada por duas filhas heterossexuais.
Se os idosos se divertiram, os mais jovens não deixaram por menos. Vestidos com roupas de motivos militares, os estudantes Samuel Moura de Jesus, Fernando Sack e Guilherme Vilas Boas estavam em êxtase e não paravam de dançar e pular, mesmo nos intervalos entre uma música e outra. “Hoje é nosso dia. Vamos beijar muito na boca e ninguém que nos olhe atravessado”, prometeu Samuel.
O movimento que lembrou um domingo de Carnaval, com direito a ambulantes tomando o espaço público para vender bebidas e tentativas de pequenos furtos atrás do trios elétricos, foi considerando tranqüilo pela Polícia Militar. Para o antropólogo e fundador do GGB, Luiz Mott, a própria maneira dos homossexuais se comportarem contribui para uma festa organizada, divertida e engajada. “Cada minoria tem a sua cultura. Nós somos assim, usamos a alegria e a irreverência contra a intolerância e a violência”, concluiu Mott.
Para quem preferiu não seguir o desfile, uma alternativa foi permanecer em frente ao Teatro Castro Alves(TCA), onde foi montado um palco fixo. O local foi um dos mais badalados, com a contínua execução de músicas dançantes, entre elas o hit gay, I Will survive, de Gloria Gaynor. “Não existe uma festa onde a gente vá que não toquem esta música. Ela é ótima para dançar e a letra nos faz lembrar da luta para sermos respeitadas”, explicou a médica Ana Lúcia.(reprodução matéria  Correio da Bahia – 10/09/07)

Confira matérias anteriores da VI Parada Gay da Bahia

VI PARADA GAY DA BAHIA - Mais uma parada gay em Salvador!

DIVULGAÇÃO - Confira o material da Parada

TRANSPORTE - oferta de ônibus é reforçada para atender Parada Gay

TRÂNSITO - SET interdita trânsito para VI Parada Gay

UNIVERSIDADE - Núcleo Diadorim da UNEB participa da VI Parada do Orgulho Gay

Para Chefe de Redação
6ª PARADA GAY DA BAHIA NO PROXIMO DOMINGO, dia 9.

PARADA GAY - Off Club divulga programação para se jogar

TÁ TUDO DOMINADO - Reunião na Emtursa define estratégia da Parada Gay

MESTRA DE CERIMÔNIA- Andreza Lamarck vai receber os conviados

MÚSICA ELETRONICA Santoro, Adriana Prates e Chiquinho no Trio Oficial da VI Parada Gay da Bahia,confira!

MARIENE DE CASTRO - Madrinha da VI Parada Gay da Bahia, confira

PRINCESINHA - Leokret do Brasil é princesa e fadinha da VI Parada Gay

VI PARADA GAY DA BAHIA - Evento acontece no dia nove de setembro em SSA

SUA SEGURANÇA NA VI PARADA Confira as dicas e fique numa boa

ALEX FERRAZ - Luiz Mott, homem com H maiúsculo

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia