O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Parada Gay movimenta Orla de Ipitanga em Lauro de Freitas   

Festa da diversidade a beira mar
Evento movimentou toda a paraia e visitantes de outras cidades
Redação do Site, especial Lauro de Freitas



Trio abre alas da II Parada Gay de Lauro de Freitas.

Prefeita Moema Gramacho (PT) compareceu ao trio abre alas para fazer abertura da II Parada. " Sempre estive ao lado da luta dos homossexuais na Bahia, contém sempre comigo", declarou.

Luiz Mott, fundador do Grupo Gay da Bahia compareceu ao evento portando faixas com os dizeres É legal ser homossexual e Homofobia é Crime.

Vereadores Lula Maciel, Márcio Araponga com Marcelo Cerqueira e Franklin Silva (GGLF).


Presença no trio dos irmãos gêmeos Cris e Cristiano, dançarinos da cidade de Lauro de Freitas.

 

 

 

SALVADOR, BA- 17/09/07 - Lauro de Freitas, 150 mil habitantes, fica bem ao lado do Aeroporto de Salvador. Antiga Santo Amaro do Ipitanga, hoje é governada pela Prefeita Moema Gramacho, (PT), grande simpatizante dos gays desde quando era Deputada Estadual. Marcelo Cerqueira, Presidente do GGB e co-fundador do Grupo Gay de Lauro de Freitas [GGLF], trabalha da Secretaria do Meio Ambiente, zelando para que os ricaços não destruam os manguezais e poluam suas lindas praias, refúgio de fim de semana de milhãres de soteropolitanos. O presidente do GGLF, Franklin Silva, foi responsável pela organização da II Parada Gay de Lauro de Freiras, que reuniu 15 mil participantes (avaliação realista sem exagero), três trios elétricos, cento e oitenta homens da Polícia Militar fizeram a segurança do evento gay. O trajeto da Parada é  dos mais belos da Bahia, na orla de Ipitanga, um minsto de Acalpulco com Ibiza. Na abertura da parada, falaram a Prefeita , os vereadores simpatizantes Lula Maciel, Márcio Arapongae e o deputado Luiz Alberto, atual Secretário da Promoção para a Igualdade Racial da Bahia, assim como Luiz Mott, Marcelo Cerqueira, o Presidente e Vice do GGLF e outras autoridades municipais. A secretaria municipal da Mulher, Terezinha Barros foi coroada a Madrinha da II Parada Gay. Entremeando músicas techno, pagode, axé, reggae e discoteca gay, muitas palavras de ordem contra a homofobia, e a denúncia que lastimavelmente os vereadores locais rejeitaram aprovação da lei contra homofobia. Entre os vereadores que votaram contra a Lei Municipal que proibe a discriminação , a vereadora Dra Mônica, que declarou em sessão ficar chocada em ver dois homens se beijando.( Da Redação).


17/9/2007 CORREIO DA BAHIA
Moradores de Ipitanga protestam durante parada gay
Comunidade de Lauro de Freitas desaprova tentativa de incorporação de parte das praias por Salvador - Flávio Costa, reporter

Festa – Segundo os organizadores da II Parada Gay de Lauro de Freita, pelo menos 30 mil pessoas participaram da II Parada do Orgulho Gay de Lauro de Freitas, ontem à tarde. Três trios elétricos animaram o público na praia de Ipitanga. A mensagem do evento foi “Sou cidadão, tenho mesmo direito que você. Preconceito e racismo são crimes”. O vice-presidente do Grupo Gay de Lauro de Freitas, Júlio César “Careca”, afirmou que a entidade luta por maior rigor na legislação contra atos de homofobia.

Moradores e comerciantes aproveitaram o início da Parada do Orgulho Gay de Lauro de Freitas para lançar, ontem à tarde, uma campanha contra a anexação de parte da praia por Salvador.
Iniciada há duas semanas, a polêmica veio à tona por conta da divulgação que um trecho do local pertence legalmente à capital baiana. A informação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e consta no processo que tramita na 13a Vara de Justiça Federal da Bahia, sobre a reestruturação do projeto de padronização das barracas de praia soteropolitanas.

Os manifestantes distribuíram panfletos e faixas com dizeres “Ipitanga é toda de Lauro de Freitas”. Eles consideram a alteração prejudicial e prometem uma grande passeata na manhã de 25 de setembro. O movimento tem o apoio da prefeita da cidade, Moema Gramacho. “Não vamos abrir mão de Ipitanga. Este também é o posicionamento da população do município”, afirmou a prefeita. Favorável à realização de um plebiscito popular sobre a celeuma, ela se reúne amanhã, às 15h, com o juiz federal Carlos D’Ávila, responsável pelo caso das barracas de praia de Salvador.

A presidente da associação comercial Ipitanga Turismo e Associados (Ita), Amélia Barros, mora na localidade há 15 anos e não aprova as alterações. “Uma mudança como esta é prejudicial tanto do ponto de vista cultural, quanto comercial”, avalia. Ela declara que todos os serviços públicos são realizados pela administração da cidade vizinha à capital baiana. “Nossos impostos municipais sempre foram pagos ao município de Lauro de Freitas”, salienta.

Já a permissionária de uma das barracas de praia de Ipitanga, Neide Fernanda, afirma que as áreas limites que pertencem a Salvador sofrem com o abandono. “Nosso acesso ao poder público para fazermos nossas reivindicações é bem mais fácil, porque moramos numa cidade pequena”, afirma Neide, que é moradora de Ipitanga há 30 anos.

O trecho demarcado pelo IBGE como sendo da capital abrange 47 barracas de praia de Ipitanga e toma toda a Rua Renato Berbert de Castro, cujo marco inicial é o módulo da 15ª Companhia da Polícia Militar, e o final é a Pousada Casa do Sol. O instituto se baseou numa lei dos anos 60, que versa sobre a fundação de Lauro de Freitas e seus limites territoriais.

Baseado nas informações passadas pelo IBGE, o juiz federal Carlos D’Ávila incorporou Ipitanga ao projeto de readequação das barracas de praia de Salvador. O novo modelo das unidades deve ser apresentado pela prefeitura soteropolitana em outubro. Em declarações anteriores à imprensa local, a secretária municipal de Planejamento de Salvador, Kátia Carmelo, declarou que tomou providências quanto à atualização cartorial e financeira dos imóveis da parte de Ipitanga, que pertencem à capital.

O trecho de Ipitanga está incluído no total de oito quilômetros de área territorial disputados entre os dois municípios. Criada em abril, uma comissão formada por técnicos das duas prefeituras ainda não definiram a celeuma. Um projeto de lei a ser elaborado tem que ser encaminhado à Comissão de Divisão Territorial da Assembléia Legislativa. A reportagem tentou entrar em contato com a prefeitura de Salvador, através da assessoria de comunicação, mas não obteve sucesso até o fechamento desta edição.

Festa – Segundo os organizadores, pelo menos 30 mil pessoas participaram da II Parada do Orgulho Gay de Lauro de Freitas, ontem à tarde. Três trios elétricos animaram o público na praia de Ipitanga. A mensagem do evento foi “Sou cidadão, tenho mesmo direito que você. Preconceito e racismo são crimes”. O vice-presidente do Grupo Gay de Lauro de Freitas, Júlio César “Careca”, afirmou que a entidade luta por maior rigor na legislação contra atos de homofobia.

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia