O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda do GGB
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Municipios
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Parada Gay impulsiona venda de grifes famosas em São Paulo

Joao Wainer/Folha Imagem Carioca Renato (à esq.), que mora em SP, e Leandro, turista de Brasília, vão às compras

 

Carioca Renato (à esq.), que mora em SP, e Leandro, turista de Brasília, vão às compras

Parada Gay agita comércio local  
 
 

DANIEL BERGAMASCO
da Folha de S.Paulo , reprodução materia original Folha de São Paulo 11/06/07

"A calça é Calvin Klein, a camisa é Calvin Klein e a cueca também é Calvin Klein", descreve-se o geofísico Leandro, 24, sobrenome não revelado, que veio de Brasília especialmente para participar hoje da 11ª Parada do Orgulho GLBT de São Paulo. Louco por moda e por grifes, ele aproveita a viagem para mergulhar nas compras nos Jardins.

A expectativa dos organizadores do evento é que seus 23 trios arrastem mais de 3 milhões de participantes da avenida Paulista até a praça Roosevelt, na região central da cidade.

No ano passado, segundo a SPTuris (empresa de turismo da prefeitura), 234 mil deles vieram de fora da cidade, o que faz da Parada Gay o maior evento turístico de São Paulo, bem à frente da F-1, que atraiu 80 mil, e do Carnaval (27 mil). A SPTuris calcula que os visitantes da parada despejarão R$ 180 milhões por aqui.

Leandro veio disposto a abrir a carteira. Ao lado do amigo Renato, 25, biólogo, caminha pelas calçadas da rua Oscar Freire, sede de grifes como Montblanc, Lacoste e Tommy Hilfiger. "Acabo de comprar uma calça jeans nova para ir a uma festa", diz ele, enquanto Renato carrega as sacolas.

Os olhos dos vendedores de grifes da rua brilham na temporada e grande parte dos lojistas decidiu abrir as portas em pleno feriado de Corpus Christi para aproveitar a demanda dos turistas abonados.

"Algumas numerações de calça se esgotaram no ano passado. A venda é incrível", diz Márcia Fonseca, diretora comercial da loja Diesel, onde uma calça jeans sai por volta de R$ 1.000. "Eles [os turistas gays] vêm aqui comprar em bando, adoram moda e são muito objetivos: olham, querem, compram na hora."

No shopping Iguatemi (Louis Vuitton, Tiffany, Emporio Armani, Ermenegildo Zegna, D&G, Salvatore Ferragamo) também pairou o clima de concentração para a parada. O salão Studio W, onde um corte de cabelo varia de R$ 130 a R$ 350 (mais R$ 18 para lavar), a agenda dos últimos dias estava "quase cheia".

"Minha agenda está lotada! Lotada de gays querendo ficar bonitos para a parada", diz Eron Araujo, 36, cabeleireiro do Studio W do shopping.

"Atendo gente de Minas Gerais, da Bahia, do Rio de Janeiro. É loucura! Muitos têm medo de passear nas ruas de São Paulo e preferem a segurança do shopping, então aqui lota."

O empresário André Almada, dono da The Week, principal boate gay de São Paulo, aproveita para promover festas durante toda a semana.

"O mercado de luxo ferve com a parada. Me ligaram do hotel Fasano pedindo convites, tinha vários hóspedes querendo visitar a boate", conta Almada. "Todo mundo quer "dar pinta" [aparecer] na Oscar Freire, fazer umas compras. Isso faz parte do passeio."

"Vários amigos meus estão chegando de fora para a parada e os Jardins são o pedaço da cidade onde os gays se sentem melhor", diz o brasiliense Yan Acioli, que mora em São Paulo. "É impressionante como se gasta aqui! Os gays juntam dinheiro já para chegar a São Paulo e sair comprando."

O estudante de informática Yuri N., 20, chegou do Rio de Janeiro e fica na casa de amigos. "Eles nem precisam me trazer aqui nos Jardins. Já aprendi o caminho. Adoro Sérgio K, Diesel e, sempre que venho, gasto horrores!"
Os azarados da história são os estabelecimentos que dependem da freqüência do público feminino. "A rua está bombando, mas aqui está até meio fraco. A mulhereada aproveita o feriado para viajar", diz o maquiador Marcelo Miguez Justo, do salão L'Officiel.

Gastos de estrangeiros

Dos turistas que chegam a São Paulo para participar da Parada do Orgulho GLBT, 5% vêm de fora do Brasil especialmente para o evento. São visitantes que gastam, em média, US$ 158 (cerca de R$ 310) por dia e ficam na cidade por cinco dias, segundo a SPTuris.

O turista que vem do interior paulista ou de outros Estados é mais comedido nos gastos. Hospeda-se aqui por três dias, em média, e deixa diariamente US$ 79 (cerca de R$ 155).

O número de estrangeiros só é maior quando a cidade sedia competição da F-1. Em 2006, na corrida, 15% do total de 80 mil turistas (12 mil) vieram de fora do país; contra 5% de 234 mil (11.700)que estavam na Parada do Orgulho GLBT.

 

 


 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia