O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  


Quem imita quem?

O universitário Raphael Martins, 26 anos, gay, não aderiu à depilação do abdômen; "Pêlos são coisa de homem. Não tenho nada contra biba, mas gosto de homem"

por Mônica Bergamo da Folha de São Paulo

Com visual parecido, gays machos e héteros bombados vão à mesma balada e confundem os freqüentadores da noite

Você é gay? "Como você sabe?", responde, preocupado, o estudante de marketing Alex Leonardo, 24. Ele esclarece: "Seguinte, "brother", sou gay, mas não curto cara afeminado nem bichinha".

Alex usa boné, costeleta comprida, bermuda baixa com o abdômen depilado aparecendo, uma corrente prateada no pescoço, tatuagem no braço. Diz que, no mês que vem, pretende tomar "bomba" pra ficar forte. Ele dá a entrevista ao repórter Paulo Sampaio em um bar na rua Farme de Amoedo, a mais gay do Rio.

No interior de São Paulo, em uma rave de música eletrônica, o representante de vendas Henrique Nunes, 22, chapéu, peito bombado, oblíquo do abdominal depilado, calça baixa, cinto Dolce & Gabbana, cueca Calvin Klein aparecendo, etc., etc., dança com a namorada, a modelo Valkiria Sinegali, 22, em uma rave de música eletrônica no interior de São Paulo: "Sou muito paquerado por homem, véio", diz Nunes.

A simples observação do físico ou da atitude -dos acessórios, da música (eletrônica) e dos termos que o "brother" usa- não é mais suficiente para definir a orientação sexual dele. Na balada, a confusão é geral. Os dois grupos, que há até pouco tempo não se freqüentavam, agora dançam lado a lado, no mesmo balanço sobre pernas semi-flexionadas e dedos polegar e indicador em forma de "pistola"; muitos tiram a camisa na pista, mas não assumem que é para exibir o peitão; a maioria diz que "é calor".

Mas, afinal, quem imitou o outro? O dentista homossexual Diego Tavares, 30, diz que "os héteros seguem os gays". "Eles vêem que a gente é sarado, sabe se vestir, dançar, e está sempre rodeado das mulheres mais bonitas e desencanadas, e nos imitam para ver se conseguem se aproximar delas", diz Tavares, boné, correntão, peito bombado, depilado, tatuagem...

Os héteros acham que, ao contrário, o gay é que foi na direção deles. "A maioria quer parecer com a gente porque nos acha bonitos, e também para passar despercebida. Gay sente atração por "homem-homem", não por bicha afetada", diz o universitário Fernando Piedade, 23, boné, correntão, peito bombado, depilado.

No alucinante mundo eletrônico das aparências, o "homem-homem" a que Piedade se refere é uma imagem consensual, pasteurizada. Segue uma espécie de fórmula que leva todos a parecerem o mesmo. "Sou vaidoso e um pouco consumista, sim. Afinal, eu trabalho duro", diz o estudante de hotelaria Rodrigo Pompeu, 25, que depila o torso "para ficar mais definido". No momento, Pompeu está sem namorada nem camisa, e veste roupas e acessórios das grifes Ralph Lauren, Adidas, Armani e Prada (ele é heterossexual).

A estética da "masculinidade comum de dois" mistura roupas de grife com um linguajar deliberadamente "malandro" ("Beleza véio?"; "Fala mano!"; "Firmeza?"), gírias abrutalhadas ("saradaço", "bombadão") e signos de macheza, como orelhas amassadas e cachorros malvados (casualmente, um dos maiores chamarizes em sites de busca homossexual é o nickname "Jiu-Jitsu").

"O gay pode ser espinhudo, calvo, baixinho, tudo, menos feminino. Então, para parecer macho, usa expressões como "E aí, brother?", engrossa a voz ao telefone e diz: "Sou muito discreto, ninguém em casa desconfia de nada'", diz o empresário Sérgio di Pietro, 27, dono do disponível.com, o maior site de relacionamento do Brasil, com 300 mil usuários, 90% gays.

O gay-macho costuma se aferrar a um forte patrulhamento. "Eu não forço nada, tenho um jeito naturalmente masculino. Mas muitos gays imitam homens, outros nem conseguem. Usam bomba pra ficar fortes e, quando abrem a boca, sai aquela vozinha", diz o universitário Raphael Martins, 26. Ao posar para a foto, ele cruza os brações, estufa o peito e explica por que não se depila. "Pêlos são coisa de homem. Não tenho nada contra biba, mas gosto de homem. Já peguei cara casado e que namora mulher. Meu namorado tem atitude de homem."

Valorizado por sua "atitude de homem", o hétero bombado também parece duro como um animal empalhado -mas suas explicações para as semelhanças com os gays são menos rebuscadas. "Eles ficam fortes pra atrair homens, brother; nós, para atrair mulheres", diz Felipe Rodrigues, 23, óculos, corrente, peito bombado, depilado, Calvin Klein...

Acontece que, na noite, as coisas não são tão claras. O professor de educação física Leandro Dantas, 27, 1,93 m, 47 cm de bíceps, 118cm de peitoral liso, conta: "Conheci uma menina linda em uma balada GLS, que deu o mó mole, e, quando me aproximei, ela queria que eu transasse com o amigo dela". O hétero bombado, apesar da reconhecida "confusão estética", muitas vezes têm tanto medo de parecer gay quanto o próprio gay. "Tá de sacanagem?", responde um rapaz de boné, peitão, correntão etc, quando a reportagem o aborda sobre as semelhanças.

O personal trainer gay Oswaldo Ferreira, 30, peito bombado, etc., diz que "a coisa mais engraçada é o cara saradão que passa por você com a namorada, e te mede, não necessariamente para paquerar, mas pra ver quem tem o corpo maior. Tipo competição, sabe?". Salvador, Ba, 12/03/07

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia