O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Politíca e homofobia

Pinheiro enfrenta cobranças de petistas

Salvador,Ba, segunda-feira, 6 de junho de 2011 Por João Pedro Pitombo do A Tarde Online


Senador Walter Pinheiro diz que discorda de alguns pontos do projeto de lei anti-homofobia

 

A participação do senador Walter Pinheiro na Marcha pela Família, que se posicionou contra a aprovação do Projeto de Lei 122/06, que criminaliza a homofobia no País, na semana passada em Brasília, colocou o petista numa “saia justa” perante os setores LGBT do partido.

Antes do evento, a setorial LGBT petista divulgou uma nota oficial em que considerou  “um equívoco” a participação do senador, que faz parte da bancada evangélica no Congresso, na marcha religiosa. “Manifestar-se contrário a uma lei que visa punir tais crimes é o mesmo que manifestar apoio a essas manifestações, e isso contribui para uma sociedade ainda mais homofóbica e discriminatória”, afirmaram os petistas LGBTs na nota oficial.

A participação do senador no evento também foi vista com estranhamento por parlamentares petistas ligados à defesa dos homossexuais. A vereadora Vânia Galvão destacou que o partido sempre defendeu o direito à diversidade sexual.  “Acho lamentável que ele (Pinheiro) tenha esta posição. Entendo que homofobia representa um ódio,  uma demonstração de intolerância de respeito aos direitos humanos e precisa ser combatida”, argumenta.  

Projeto - Em entrevista ao jornal A TARDE, o senador destacou que sempre separou a sua fé das questões políticas. “Continuo tendo a mesma posição com relação a direitos individuais. Defendo toda e qualquer forma de combate à homofobia e à intolerância”, argumentou.

O senador, no entanto, admite que discorda de alguns pontos do projeto de lei, motivo que o fez participar da marcha: “Não se combate homofobia com intolerância. Queremos que a lei puna a prática da homofobia, do racismo, da intolerância. Mas não se pode, em nome deste combate, cercear  a liberdade de expressão”.

Na avaliação do senador baiano, é preciso tipificar o crime de homofobia. “O texto era muito genérico. Temos que deixar claro o que é incitar, o que é promover a homofobia”.

Questionado sobre o assunto, o presidente do PT na Bahia, Jonas Paulo, explica que o senador tem liberdade para defender posições de natureza confessional. Ele, no entanto, nega que o partido esteja utilizando “dois pesos e duas medidas”, já que o  ex-deputado federal Luiz Bassuma foi suspenso do partido em 2009 por ser contra a descriminalização do aborto. “Ali foi diferente. Bassuma partiu para agredir os petistas que defenderam essa posição”.

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia