O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Adolescência

Rejeição familiar a homossexual pode afetar saúde, diz estudo
Editoria local



Morte de ator pode ter sido suicídio

SALVADOR, 29/12/08 - Morreu aos 28 anos de idade no dia 22 de janeiro deste ano o ator Heath Ledger, (foto) conhecido do público por ter atuado na pele de um cowboy gay no filme O Segredo de Brokeback Mountain, pelo qual foi indicado ao Oscar.

O ator, que nasceu na Austrália, morava em Nova York em um apartamento no bairro do SoHo, onde foi encontrado morto às 15h26, horário de Nova York (18h26 em Brasília). O galã estava nu na cama e com o corpo rodeado de pílulas. De acordo com Paul Browne, porta-voz do Departamento de Polícia de Nova York, Ledger tinha uma massagem marcada para seu apartamento.

Ele foi encontrado morto quando a empregada foi avisá-lo que a massagista havia chegado. "Ele foi encontrado inconsciente no apartamento e depois declarado morto", esclareceu Browne. A polícia trabalha com a hipótese de overdose, mas não descarta a possibilidade de suicídio, entre outras causas, ou suicídio por overdose.

Não são conhecidas evidências que o ator seja homossexual e por isso teria morrido dessa forma. Outras situações envolvidas a sexualidade podem estar inseridas nesse ato de tirar a vida seja de qual forma for. A pressão da ama o trauma de ter feito no cinema o filme que o consagrou, a beleza, a juventude e o uso de substancias químicas. Estas coisas juntas parecem serem umas bombas de hidrogênio pronto a explodir a qualquer instante.

 

 

 

 

Reações negativas podem estar vinculadas à depressão, ao uso de drogas e a tentativas de suicídio

 

SALVADOR,BA, 29/12/08 - A rejeição familiar que os adolescentes homossexuais sofrem causa danos em sua saúde, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira, 29, na revista "Pediatrics".  
O artigo, escrito pela diretora do Projeto Aceitação Familiar, Caitlin Ryan, e por sua equipe no Instituto César Chávez da Universidade Estadual de San Francisco, é o primeiro que mostra que o comportamento negativo de pais e mães para com os filhos e filhas homossexuais afeta a saúde dos jovens.
 
"As reações familiares negativas para com a orientação sexual de seus filhos estão vinculadas com problemas de saúde graves para eles quando chegam à juventude precoce, tais como a depressão, o uso de drogas ilícitas, o risco de infecções venéreas e tentativas de suicídio", disse Ryan.
 
Para este estudo, a equipe de Ryan conversou com 224 pessoas com idades entre 21 e 25 anos que tinham confessado sua orientação sexual pelo menos ao pai ou à mãe, ou para a pessoa que cuidava deles, durante a adolescência. Os participantes se identificaram como homossexuais ou bissexuais.
 
Entre estes jovens adultos, os que tiveram níveis mais altos de rejeição familiar durante a adolescência tinham 8,4 mais chances de ter tentado suicídio, 5,9, de sofrer depressão e 3,4 de usar drogas ilegais, do que aqueles que não reportaram comportamento negativo da família.
 
Além disso, estes jovens que sofreram rejeição e censura familiar mostraram 3,4 vezes mais probabilidades de ter tido relações sexuais sem proteção, o que os deixa mais vulneráveis a doenças venéreas e ao contágio do vírus de imunodeficiência humana (HIV).
 
"Os latinos foram os que apontaram um número mais alto de reações familiares negativas à orientação sexual durante a adolescência", destaca o artigo.
 
"No ambiente atual, freqüentemente hostil para os jovens homossexuais e bissexuais, é importante que se saiba que tanto os problemas mentais como a depressão e o suicídio, e os riscos de contágio de doenças, aumentam enormemente com a rejeição", disse Sten Vermund, diretor do programa Global Health na Universidade Vanderbilt.
 
O enfoque que prevalece entre pediatras, enfermeiras, assistentes sociais, conselheiros escolares e outros serviços comunitários se concentrou quase exclusivamente no atendimento aos jovens homossexuais e bissexuais, e não considera o impacto da reação na família.

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia