O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Trilogia da Ausência de Marcelino Freire e Caio Fernando Abreu em Julho no Teatro Gaboa Nova


Salvador, Bahia, terça-feira, 14 de jumho de 2010 - 8hs. Edição Marcelo Cerqueira

A Trilogia da Ausência, monólogos adaptados de contos de Marcelino Freire e Caio Fernando Abreu, concebida e interpretada pelo ator paulista Rodolfo Lima estréia em Salvador, no Teatro Gamboa Nova (Largo dos Aflitos), 1º de julho, às 20 horas, com ingressos a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). E realiza temporada em julho de quinta a sábado.

A Trilogia da Ausência, monólogos adaptados de contos de Marcelino Freire e Caio Fernando Abreu, concebida e interpretada pelo ator paulista Rodolfo Lima estréia em Salvador, no Teatro Gamboa Nova (Largo dos Aflitos), 1º de julho, às 20 horas, com ingressos a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). E realiza temporada em julho de quinta a sábado.

A cada dia é apresentada uma peça da Trilogia, na quinta sobe ao palco Bicha Oca, baseado nos contos homoeróticos de Freire, que discute a sexualidade a partir de textos literários. Em cena, um homossexual retrógrado e solitário questiona os hábitos atuais dos gays e a importância de manifestações da militância LGBT. O título da peça não é meramente ilustrativo, num trecho do conto a personagem diz: “Bicha devia nascer sem coração. É, devia. Oca.(...) Bicha devia nascer vazia”. O que corrobora com a visão de esvaziamento das relações, a fugacidade dos encontros e a necessidade – inevitável – da busca por um parceiro. Os escritos de Freire trazem uma visão urbana e atual do comportamento dos homossexuais e revela de forma contundente e poética situações e experiências da comunidade.  A montagem conta com a participação especial do ator baiano Saulo Moreira.

Todas as Horas do Fim, em cartaz as sextas, é livremente inspirado em Linda, uma história horrível escrito por Caio Fernando Abreu na década de 1980 e considerada o primeiro conto brasileiro a abordar o vírus HIV. Na adaptação de Lima, um homem volta para casa, depois da morte do namorado, para (re)ver e (con)viver com a mãe que não  encontra há muito tempo. A peça é sobre o confronto dessas duas pessoas e suas singularidades. Como em outros trabalhos de Lima, Todas as Horas do Fim é um recorte da obra do autor com fragmentos de outros textos.


Aos sábados, o público confere Réquiem para um rapaz triste, trabalho inspirado nas personagens femininas do autor gaúcho Fernando Abreu. A personagem Alice, uma quarentona solitária e dependente do cigarro, recebe as pessoas em sua casa para conversar sobre suas escolhas, o papel da mulher na sociedade atual e anseios femininos como filhos, casamento e a espera do homem ideal. Assim, suas visitas são convidadas a rever as escolhas da vida a partir da ótica daquela mulher de meia idade. Mesmo com o ar melancólico e depressivo que a encenação sugere, a personagem acaba sendo esperançosa em relação ao futuro. Para assinar a direção desta montagem, Lima convidou Ivania Davi.(Da Assessoria)

 Serviço:
Bicha Oca
Quando: 01 a 29/07 (quinta-feira)

Todas as Horas do Fim
Quando: 02 a 30/07 (sexta-feira)

Réquiem para um Rapaz Triste
Quando: 03 a 31/07 (sábado)
Horário: 20 horas
Onde: Teatro Gamboa Nova
Valor: R$10 e R$5 (meia)
Classificação: 18 anos
Informações: (71) 3329-2418

 

 

 

 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia