O GGB    ::    SEJA MAIS UM FILIADO    ::    FAÇA SUA DOAÇÃO    ::    ggb@ggb.org.br
 

Home
Saúde
Movimento GLBT
Grupos GLT
Editorial
Legislação
Direitos Humanos
Orientações
Caderno Cultural
Educação
Agenda 2004
Notícias
Artigos-Opinião
Acontece
Nossas publicações
Turismo
Sociedade
Destaques
Marcelo Cerqueira
Sites
Projetos
Roteiros e serviços

 

  

Seminário do Projeto Somos
Pólo de Capacitação Almir Sant’ana
Lagarto, Sergipe, 20, 21 e 22 de Julho de 2006
Hotel Pantanal, Lagarto Sergipe

Temas associados, abaixo.

1) Fortalecer a capacidade de desenvolvimento institucional das ONGs participantes do treinamento em Sergipe.

• Analise Institucional
• Elaboração de um Plano de desenvolvimento institucional
• Identificação da missão de cada grupo participante
• Identificação dos valores de cada Organização treinada


2) Fortalecer a capacidade de realização de ações de defesa e promoção de direitos humanos para Gays e outros HSH.
• Realização de concurso de mis gay
• Realização de parada gay municipal
• Realização de visitas (programadas, devidamente agenda, com lista de reivindicações ao presidente da Câmara Municipal, ao prefeito aos delegados de polícia ao juiz da cidade, ao Ministério Púbico, aos meios de comunicação)
• Realizar eventos, palestra e debates sobre direitos humanos cidadania com as universidades, grêmios estudantis, escolas de segundo grau.
• Realizar visitas ao secretario municipal de saúde, ao programa de aids local, estadual. (visando receber e estabelecer ação de combate as dst junto aos grupos sob maior vulnerabilidade, receber preservativos, etc..).

3) Fortalecer a capacidade de ONGs de gays e outros HSH para a realização de ações de intervenções voltadas para a prevenção de DST/HIV e Aids e hepatite.

• Simulação de intervenção junto à comunidade de relativa HIV Aids e geração.
• Elaborar um plano de ação voltado a prevenção na sua comunidade.
• Dinâmica de grupo visando a auto estima e cidadania na prevenção com homossexuais.


1) Iniciou-se pedido aos participantes que escrevesse em um papel, nome, localidade, expectativa e possível nome dado ao grupo, recém formado.

Jose Martins Fontes Filho, de Lagarto, expectativa de Criação do GHATO, Grupo de Apoio e Trabalho Homossexual. Aprimoramento e desenvolvimento do segmento homossexual na cidade, através de capacitações consiga encontrar mecanismos técnicos de coordenação dos trabalhos na cidade.

Cláudio Vasconcelos – ASTRA - Expectativa, ganhar mais conhecimentos específicos. Fundar o GGA Grupo Gay de Aracaju, fortalecimento de ações voltadas para esse segmento na cidade. Angariar conhecimentos específicos na formação de um grupo que trabalhe a militância da sexualidade GLBT e fortalecimento de ações que possam ser desenvolvidas por este grupo bem como gerar conhecimentos na área que quero desenvolver essas ações.

Carlos Prata, conhecido como Grete Assunção, município de Simão Dias, município vizinho, 35 anos, expectativa; aprender mais, e levar o que aprendeu para a associação, tudo que aprendeu poderá levar para compartir com os outros homossexuais.

Ivo Jose dos santos – Presidente da Associação Gay Simão-diense, (AGS),18 anos. Expectativa de aprender mais e passar para os sócios da associação, fazer amigos.

Kleverton Caike, 15 anos, Boquim. Expectativa gostaria de aprender a lidar com o preconceito, reunir os gays da cidade.Grupo Gay de Boquim.

Beny Silva Afonso – Tobias Barreto, 24, anos, transex, EXPECTATIVA, APRENDER BASTANTE, QUE ESSE GRUPO SOMOS me de bastaste. Trabalha como coordenadora pedagógica da Escola Municipal de Ensino Fundamental Paulo Freire. Expectativa abrir a ONG em Tobias Barreto, passa mal por ter um sexo social vesti-se normalmente como mulher, peitinhos, cabelos longos. Uma pessoa impressionante, de estatura pequena, dinâmica e com muita vontade de organizar-se. Relatou que a comunidade gay é grande. Imagina-se em fundar um Grupo Misto de Gays, lésbicas e transexuais, chamado Momento Novo. Porque nunca existiu grupo do gênero em Tobias Barreto.

Paulo César Araújo Viera, 32 anos, conhecendo como Paola, (mas não tem aparência de transexual), Salgado, SE. Expectativa em montar o grupo de nome Arco Íris, receber informações sobre movimento e passar todos os conhecimentos para o novo grupo formado.

Alex Sanches, 26 anos, cabeleireiro da cidade de Salgado. Expectativa em montar o Grupo em homenagem a Luciana Lins, fundadora da Unidas. Espero que os conhecimentos adquiridos através do desenvolvimento do projeto Somos possa nos ajudar a saber mais de nossos direitos e assim, poder saber lidar com o preconceito do dia-a-dia. Espero também adquirir mais conhecimentos sobre as doenças sexualmente transmissíveis e em especial a Aids.

Nancivaldo Santos de Jesus, trans, 26 anos, natural de Itaporanga, expeditiva; fortalecer os conhecimento sobre estratégias de trabalho GLBT, conhecer outras formas de realização do trabalho e troca de experiências vividas por outros grupos. Faz patê do Grupo Homo-Cidadã, que tem registro e instituto.

Manoel Messias Gomes de Oliveira, 33 anos, Poço Verde, SE. Adquirir conhecimentos para poder socializar com os demais homossexuais da comunidade.

Ezequias de Carvalho, 22 anos, natural de São Cristóvão, Grupo Velha Casa GLBT, expectativa; conhecer e trocar conhecimentos com os demais.
Roseane Andrade Murad, 20 anos, lésbica, Simão Dias, AGS - Veio dar um Close, Simão Dias, veio dar um close.

Jaen Clayde, 17 anos, lésbica, visitante.

Reginaldo Batista de Souza, 38 anos, Grupo Adones, Sergipe.
Alex Almeida Moura, 20, Grupo Adonis, Aracaju, SE.


1) Passos para elaboração de um plano de ação voltado à prevenção do HIV/Aids nas suas comunidades.

O Estado de Sergipe tem cerca de 1,3 milhões de habitantes, estima-se 1.926 casos de Aids notificados pela Coordenação Estadual. Pediu-se as presentes identificarem com base em sua realidade, porque o gays são mais vulneráveis ao HIV/Aids e hepatite de forma a) socialmente, b)biológica e c)cultural.

BILOGICAMENTE - (a) Falta de preservativo em muitas cidades leva com que as pessoas façam sexo sem proteção. b) O sexo anal sem proteção pode levar a uma possível infecção pelo HIV e Aids. c) baixa auto-estima, falta de informação faz com que mesmo tendo preservativos nos postos os homossexuais do interior não se sentem encorajados a reivindicar o produto para os eu uso cotidiano.

SOCIALMENTE – (a) falta de acesso aos postos de saúde, falta harmonia entre quem distribui e quem recebe. Mais acesso aos insumos da prevenção nos municípios. Falta de informação a cerca de saúde e insumos relativos à saúde, violência, uso de álcool, cachaça e maconha. Dificuldades de encontrar um trabalho socialmente aceito acaba levando a lançarem-se nas atividades, muitas vezes socialmente não aceitas, a sociedade limita as oportunidades. Na Escola jovens são expulsos da escola por falta de conhecimentos a cerca de orientação sexual e direitos humanos.

CULTURALMENTE - (a) existe uma cultura predominante que causa muito estresse junto aos homossexuais nos municípios. Dificuldade de conquistar espaço de aceitação. Homofobia da sociedade geral, acaba colocando os homossexuais contra a parede, a homofobia interna acaba fazendo com que ele se entregue de lutar, perdendo as perspectivas de vida em coletividade, social e cultural. Torna-se mais vulnerável ao uso de drogas, sexo seguro e outras ações que colocam em risco o seu corpo, a violência e a morte.

Construindo o Plano de Ação na cidade.

• Como identificar essa população, onde ela se reúne, o que fazem.
• Como abordar esse segmento no interior, o que fazer;
• Como fazer para levar informações



Projeto Nome – Amigos da Cidadania

Objetivo - capacitar população gay e HSH
PROJETO Amigos da Cidadania

1) Objetivo
Através de capacitação e acesso a informações sobre DST/HIV e aids com acompanhamento e monitoramento do Publico Alvo.

2) Identificação
Preparação de questionários com dados e identificação da problemática da comunidade gay que a patir das informaçeos captadas buscar soluções para o mesmo.

3) Reuniões
Reuniões com a finalidade de socialização nas residências dos públicos a serem trabalhados;

4) Abordagem
O grupo de trabalho de campo deverá estar identificado além da especificação e finalidade do projeto;

5) Metas de execução

- Distribuição de insumos (1.200 camisinhas)
- Palestras educativas, panfletagem periódica (sextas-feiras em casas de militantes a ser definidas)
- Seminários de capacitação (mês)
- Eventos educativos sobre saúde,
- Lazer e informação
- Acompanhamento psicológico
- Parcerias para o projeto, cursos profissionalizantes

Créditos ao programa .

Projeto Somos Centro de Assessória Paulo César Bonfim
Associação Brasileira de gays, Lésbicas e Travestis (ABGLT).
Grupo Gay da Bahia (GGB), entidade executora.

Pólo de Capacitação Dr. Almir S’antana
Entidade responsável: Alga – Assoc Lagartense de Gays, Lésbicas.
Coordenador: Artur Fabio Veloso (Bizã Velo)
Assistente de Coordenação: Paulo Paixão, (GGC-Bahia)
Consultor convidado: Javier Anganoa
Coordenador do projeto Somos: Marcelo Cerqueira
Assistentes in loco, Antonio Carlos Rodrigues, Mayara Menezes, Geane Caribe, Martin Filho, Alexsandra Alves, Letícia Saboya,

 


 


Voltar

  __________________________________________________________________________________________________________
  Grupo Gay da Bahia - GGB
Rua Frei Vicente, 24 - Pelourinho - Caixa Postal 2552
CEP 40.022-260. Salvador / Bahia / Brasil 
Tel.: (71) 321-1848 / 322-2552 / 322-2176
Fax: 322-3782
 
__________________________________________________________________________________________________________

         © 2003, Todos os direitos reservados, Grupo Gay da Bahia